Hospitais continuarão a ser o foco de ataques de ransonware, afirma McAfee Labs

Por Sérgio Oliveira | 19 de Setembro de 2016 às 11h39
Tudo sobre

McAfee

A Intel Security divulgou a edição de setembro de 2016 de seu Relatório de Ameaças da McAfee Labs nesta segunda-feira (19). No documento, a firma de segurança digital avalia e detalha a crescente ameaça de ransonware ao setor de saúde, além de investigar como ocorre a perda de dados.

O alvo da investigação foi o surto de ataques de ransonware a hospitais no início deste ano. Os resultados mostram que diversas instituições de saúde fizeram pagamentos da ordem de US$ 100 mil aos indivíduos mal-intencionados para reaver o controle de seus equipamentos. E isso é apenas uma pequena fatia de um problema muito maior.

"No primeiro semestre de 2016, nossos pesquisadores identificaram um criador e distribuidor de ransonware que aparentemente embolsou US$ 121 milhões em pagamentos de operações de ransonware lançadas contra diversos setores", relata a empresa no documento.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

Apesar de prever que uma quantidade cada vez maior de novos setores será afetada por pragas virtuais desse tipo, a equipe de pesquisa acredita que o foco continuará sendo os hospitais. O motivo é que esses estabelecimentos dependem muito de sistemas legados de TI, dispositivos médicos com pouca ou nenhuma segurança e necessitam contarem com acesso imediato a informações para proporcionar a assistência aos pacientes. Portanto, a união de todos esses fatores acaba criando um cenário em que administradores se veem obrigados a desembolsar o quanto antes o valor que lhes for solicitada pelos cibercriminosos.

"Como alvo, os hospitais representam uma combinação atraente de segurança de dados relativamente fraca, ambientes complexos e a necessidade urgente de acesso às fontes de dados, muitas vezes em situações de vida ou morte", explica Vincent Weafer, vice-presidente do McAfee Labs. Além disso, o executivo destaca que o crime cibernético é alimentado pela capacidade e motivação para explorar novos setores de atividades.

Fonte: McAfee

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.