Governo dos EUA aponta Coreia do Norte como responsável pelo WannaCry

Por Redação | 19 de Dezembro de 2017 às 11h57

O governo dos Estados Unidos acusou publicamente a Coreia do Norte de ser a responsável pelo WannaCry, uma onda de ransomwares que assolou o mundo em maio deste ano, chegando, inclusive, ao Brasil. Em um artigo publicado na imprensa americana, Thomas Bossert, que é conselheiro de segurança nacional do governo Trump, afirma que não restam dúvidas de que o inimigo asiático está por trás dos ataques.

No artigo, publicado no Wall Street Journal, o especialista não apresenta provas, mas diz que o governo as possui após meses de investigação sobre o caso. Mais do que isso, Bossert afirma que as conclusões a que chegaram os órgãos de segurança dos EUA são apoiadas por outros países, como o Reino Unido, e também empresas de tecnologia como a Microsoft.

O texto, entretanto, não entra em detalhes, deixando de lado confirmações, por exemplo, sobre a origem dos ataques. Estariam eles ligados diretamente ao governo da Coreia do Norte ou seriam apenas patrocinados por ela por meio da contratação de hackers externos? Qual o intuito no lançamento de um golpe que, como cita o próprio Bossert, parece descuidado e sem alvo específico, a ponto de se proliferar rapidamente por todo o mundo?

Atuante em maio, o WannaCry sequestrava as máquinas dos infectados, criptografando os arquivos e impedindo o acesso a não ser que um pagamento do equivalente a US$ 300, em Bitcoins, fosse realizado. A praga chegou a mais de 300 mil computadores em 150 países. No Brasil, o Tribunal de Justiça de São Paulo e o Hospital do Câncer de Barretos, no interior do estado, foram atingidos, assim como empresas de infraestrutura, aeroportos e companhias de tecnologia ao redor do globo.

O responsável, entretanto, nunca revelou sua identidade, o que tornou mais difícil entender quais os intuitos por trás da infecção em massa além, claro, do ganho financeiro. Na estimativa de Bossert, refletindo números do governo dos EUA, o WannaCry teria causado bilhões de dólares em prejuízos, que vão desde os pagamentos efetivos para liberação dos arquivos - muitas vezes, sem garantia de que isso aconteceria - até os danos a sistemas de logística e operações afetadas pela praga.

O artigo de Bossert marca a primeira vez que o governo dos Estados Unidos atribui, publicamente, a autoria do WannaCry à Coreia do Norte. A expectativa é de que a Casa Branca libere comunicado ainda nesta terça-feira (19) para comentar mais sobre as declarações de seu conselheiro.

Enquanto isso, Pyongyang ainda não se pronunciou sobre o caso. No passado, o governo do país já havia afirmado não ter nada a ver com a praga - que chegou a ser associada, também, a hackers trabalhando para a Rússia - e que as tentativas de atribuir a onda de ataques à Coreia do Norte seria uma tentativa de ampliar o isolamento do país e atingir diretamente sua soberania.

Fonte: The Wall Street Journal

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.