Como evitar se tornar uma vítima de ransomware? Confira nossas dicas

Por Andressa Neves

Com o avanço da tecnologia, os ataques hacker têm se tornado cada vez mais comuns e ainda mais poderosos. Uma amostra do alcance dos ciberataques pode ser vista recentemente, com a infecção generalizada do WannaCry, ransomware que se espalhou rapidamente no dia 12 de maio por 179 países. Apesar desse tipo de vírus não ser novo - afinal, eles existem há cerca de 20 anos -, nos últimos tempos eles começaram a se tornar mais comuns na mídia à medida em que órgãos públicos e grandes empresas começaram a ser afetados.

Antes de você aprender como se proteger, é necessário entender o que é um ransomware. Basicamente, o ransomware é um tipo de malware que criminosos instalam nas máquinas sem autorização dos usuários. Dessa forma, o vírus dá aos indivíduos mal-intencionados a possibilidade de bloquear computadores de qualquer lugar do mundo. Ao ser infectada, a máquina passa a receber janelas de pop-up com avisos de que o computador foi sequestrado e que o usuário só retomará seu controle por meio do pagamento de um resgate. Em geral, o ransomware é instalado a partir de anexos em e-mails ou por mensagens em aplicativos, redes sociais e sites. Então, como evitar se tornar uma vítima? Confira as dicas de segurança que separamos para você!

1. Faça backups constantemente

Por vivermos na era digital, é comum armazenar documentos, fotos, vídeos e toda a sorte de lembranças em nossos dispositivos. Para não correr o risco de perder dados tão importantes, é imprescindível fazer backups constantes dos arquivos. Para isso, fazer backup não só na nuvem, mas também em mídias físicas, como pendrive e HD externo é sempre uma boa pedida. Há alguns ransowares capazes de afetar documentos na nuvem, então é útil manter os arquivos atualizados em outros dispositivos.

2. Mantenha os dispositivos atualizados

As solicitações de atualização dos dispositivos não existem à toa. Utilizar softwares originais e atualizados pode evitar que você tenha de pagar um resgate aos crackers. Na verdade, os updates de programas e sistemas operacionais existem não só para oferecer novos recursos aos usuários, como também para corrigir vulnerabilidades. Pode parecer chato ter de instalar as novas versões dos softwares, mas os patches, muitas vezes, servem para evitar e impedir a exploração de brechas pelos cibercriminosos. Pensando nisso, fazer as atualizações automaticamente ou checar se há novas instalações disponíveis é sempre uma boa ideia.

3. Instale um software antivírus com boa reputação

Tanto computadores quanto smartphones e tablets devem contar com sistemas de antivírus. Esses serviços são capazes de bloquear uma série de malwares e ransomwares e de impedir que os usuários abram links, arquivos e sites maliciosos. Para se ter dimensão da quantidade de ameaças espalhadas por aí, entre agosto de 2015 e agosto de 2016, quase 200 milhões de e-mails mal-intencionados circularam pela web. Portanto, utilizar de diversos meios de proteção deve ser considerado por todos que queiram evitar os famosos vírus.

4. Faça navegações seguras na web

É fundamental que todo usuário verifique se os sites em que navega possuem o certificado digital SSL (Secure Socket Layer), pois assim é possível saber se a página é real ou apenas uma máscara criada por criminosos. Os buscadores, como o Google, costumam deixar sites que não contam com o certificado no final de suas listas. Em geral, os sites certificados apresentam um cadeado na barra de status, mostrando que a página é segura.

5. Desconfie de arquivos enviados por e-mail, aplicativos e redes sociais

Uma das dicas para evitar se tornar uma vítima de ransomware é desconfiar de anexos e links enviados por e-mails, aplicativos e redes sociais. Para isso, é essencial sempre verificar quem é o remetente da mensagem e evitar clicar ou abrir arquivos que não estejam sendo esperados.

6. Mantenha a configuração correta de sistemas e equipamentos

Manter a configuração correta de sistemas e equipamentos, como roteadores sem fio e servidores, criando novas senhas e ativando proteção de segurança de rede também é uma solução interessante, pois reduz as chances de infecções de malwares e ransomwares. Utilizar as proteções que a própria máquina oferece, como firewall e IDS também é indicado, afinal esses programas conseguem identificar tentativas de invasão e comportamentos estranhos.

Mas o que fazer caso você seja vítima de ransomware?

Primeiramente você precisa saber que os especialistas em segurança digital não sugerem o pagamento dos resgates exigidos pelos crackers. Em vez disso, a indicação é que os usuários utilizem ferramentas disponibilizadas no mercado por empresas especialistas em segurança que ajudam descriptografar alguns tipos de ransomware. Para isso, antes de tudo é necessário executar uma verificação total do sistema com soluções de segurança atualizadas.

Vale lembrar que também há uma iniciativa internacional que oferece antídotos capazes de recuperar os dados infectados, e que uma das possibilidades é formatar a máquina e efetuar a reinstalação completa de seu sistema operacional.

Com informações de Kaspersky Lab, Microsoft

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.