Com medo dos russos, Reino Unido bane uso do Apple Watch entre ministros

Por Redação | 10.10.2016 às 18:38

Ministros de governo do Reino Unidos não poderão mais utilizar os relógios inteligentes da Apple durante reuniões de gabinete, decidiu a administração da primeira ministra do país, Theresa May, nesta semana.

Ao Telegraph, uma fonte próxima ao assunto afirmou que a decisão foi tomada porque "os russos estão tentando hackear tudo" e o governo britânico teme que os dispositivos possam ser utilizados como microfones remotos para espionar seus oficiais de governo.

Até a gestão passada, do ex-primeiro ministro David Cameron, ministros estavam liberados para portar smartwatches de qualquer tipo. A partir de agora, no entanto, os gadgets passam para a mesma lista de itens proibidos que já inclui smartphones.

Apesar de parecer um movimento inteligente a primeira vista, banir o Apple Watch de reuniões de gabinete pode não fazer muito sentido no fim das contas, uma vez que os iPhones já estão proibidos lá dentro e os smartwatches da Maçã dependem do pareamento com o smartphone para grande parte de suas tarefas – inclusive de conectividade à Internet.

Desde o ano passado, tensões entre o ocidente e a Rússia têm aumentado consideravelmente, junto com desconfianças de que o governo de Vladimir Putin estaria patrocinando ações de espionagem em outros países.

Na semana passada, autoridades dos Estados Unidos disseram que têm "confiança" de que o governo russo estava por trás de ataques ao Comitê Nacional do partido Democrata que comprometeram e-mails da organização. Essa foi a primeira vez que oficiais norte-americanos acusaram publicamente autoridades russas de um ataque hacker.

Fonte: Telegraph