Brasil é o país que mais sofre tentativas de ataques virtuais na América Latina

Brasil é o país que mais sofre tentativas de ataques virtuais na América Latina

Por Redação | 12 de Setembro de 2016 às 18h03

Um levantamento recente da Kaspersky Lab constatou que os países da América Latina são os que mais sofrem por ameaças de malware, phishing ou falsos e-mails na internet. E o Brasil ocupa o primeiro lugar: nos últimos 12 meses, quase metade dos usuários brasileiros sofreram pelo menos uma tentativa de ataque na rede.

Entre agosto de 2015 e agosto de 2016, mais de 398 milhões de ataques de malware aconteceram no continente latino-americano. Na prática, foram cerca de 12 golpes por segundo. No mesmo período, em cada 10 tentativas de infecção, mais de 82% ocorreram offline, seja por meio de USB contaminados, pirataria de software ou outros meios que não exigem conexão à web. Os outros 18% são de ataques cibernéticos conectados, quando o internauta está navegando, baixando arquivos ou abrindo anexos de e-mails duvidosos.

Após o Brasil, aparecem na lista de países que mais sofreram tentativas de ataque o Peru e a Bolívia, com 42%. Eles são seguidos por Chile (40%), México (39,9%) e Colômbia (39,3%). Em relação aos ataques de phishing ou e-mails enganosos, o Brasil também é líder, com 12,3%, seguido por Argentina (7,5%), Equador (5,7%), Venezuela (5,2%) e Bolívia (5,2%).

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Os tipos mais comuns de ataques via internet são por códigos maliciosos, cujo objetivo em geral é roubar dados. Estes respondem por 81% do percentual geral. O restante é via aplicativos adware, que inserem barras de ferramentas ou fazem o navegador exibir propaganda indesejada. "Como nem sempre esse tipo de software pode ser bloqueado pelo antivirus (devido a implicações legais), ele tem sido mais usado pelos cibercriminosos", destaca Dmitry Bestuzhev, diretor da equipe de investigação e análise para América Latina da Kaspersky Lab.

Já nos emails, a maioria das tentativas (57%) foi de inserir Cavalos de Tróia (Trojans) bancários no PC. Vírus sequestradores (ransomware) já são quase 30% do total - esse tipo de malware bloqueia o acesso dos usuários a seus dados e exige um resgate. Também cresceu entre as ameaças mais comuns um malware que simula ser um crack para ativar o Windows 10 e ainda pode utilizar a técnica de Backdoor, que inclui módulos de acesso remoto não autorizado desenvolvidos por cibercriminosos nas máquinas das vítimas.

"É importante lembrar que o software ilegal não lhe dará suporte técnico. Não há atualizações ou recursos de segurança, deixando o dispositivo exposto a muitas ameaças, especialmente via Internet. Na verdade, o que acaba acontecendo é que por querer economizar dinheiro ou mesmo por ‘malandragem’, o usuário acaba poluindo a sua máquina", disse Bestuzhe.

Fontes: Kaspersky Lab, Convergência Digital

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.