Atualizar aplicativos automaticamente pode colocar seu dispositivo em risco

Por Redação | 04 de Julho de 2017 às 16h19

É preciso manter os programas e aplicativos de seus computadores sempre atualizados, porém especialistas recomendam que os usuários não fiquem completamente despreocupados com as atualizações automáticas. Por mais estranho que essa recomendação possa soar, o motivo é que atualizações automáticas podem trazer brechas sem que o usuário tenha conhecimento.

Foi justamente um mecanismo de atualização automática que permitiu a disseminação do “NotPetya” na semana passada. A Microsoft confirmou o problema, dizendo que, por meio de seus dados de telemetria, o programa responsável pela atualização automática do software de contabilidade ucraniano M.E Doc executou os comandos para ativar o vírus nos sistemas que foram infectados.

Entre as problemáticas de se atualizar apps automaticamente está uma questão técnica que envolve a segurança do programa de atualização. Há certas brechas que podem ser exploradas por criminosos virtuais para “convencer” algum software de atualização automática a baixar e instalar uma atualização falsa, que, na verdade, se trata de um programa espião. Falhas do tipo não são tão comuns, mas podem acontecer, como ocorreu no final dos anos 2000 com o iTunes — problema que somente foi solucionado em 2011.

Outro problema está relacionado à confiança, uma vez que as atualizações fornecidas pelo fabricante do software não podem violar sua confiabilidade no programa. Por meio de uma atualização automática, um desenvolvedor mal intencionado é capaz de introduzir falhas, posteriormente apagando as evidências de sua ação. Tomando o WhatsApp como exemplo, nada impede que algum de seus desenvolvedores incluam na atualização comandos secretos para obter dados de maneira irregular, apagando-os em uma atualização posterior sem que ninguém, nem mesmo a companhia, tenha percebido. Apesar de não haver registros de que isso tenha acontecido com este ou outro aplicativo móvel, não é tecnicamente impossível.

Contudo, desativar toda e qualquer atualização automática simplesmente não é uma opção sensata, uma vez que os benefícios superam qualquer possibilidade de problema. A solução, aqui, está nas mãos das fabricantes de softwares e de seus desenvolvedores, que precisam programar bem seus produtos para que os invasores não consigam tirar proveito de nenhuma brecha eventual.

Fonte: G1

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.