Amazon quer vigiar a digitação e os movimentos do mouse de funcionários

Amazon quer vigiar a digitação e os movimentos do mouse de funcionários

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 13 de Agosto de 2021 às 21h00
Divulgação/Simon/Pixabay

Preocupada com a segurança de suas operações internas, a Amazon está investindo em novos modos de vigiar o comportamento de funcionários que lidam com sistemas sensíveis. Documentos obtidos pela Motherboard mostram que, em certo ponto, a companhia considera a instalação de softwares capazes de registrar tudo o que é teclado pelos empregados para evitar que dados de consumidores não sejam acessados sem autorização.

A opção que está sendo estudada por ela atualmente é capaz de criar perfis de comportamentos baseados no ritmo de escrita, movimentos do mouse e gestos de toque. “Temos uma brecha de segurança e não temos um mecanismo de segurança para verificar quem usuários são quem dizem ser”, afirma o documento.

Para a empresa, o monitoramento do uso do teclado e do mouse de seus funcionários é necessário para combater diversas ameaças. Além de impedir que pessoas se passando por empregados tenham acesso aos sistemas da corporação, a solução também impediria que contratados que vivem em “áreas de alto risco” se sintam tentados a exfiltrar informações sensíveis.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Perfis de comportamento

O software seria fornecido pela BehavioSec, empresa especializada no fornecimento de “biometrias de comportamento”. A companhia afirma que seu sistema age de maneira passiva e sem impactos na experiência de uso dos usuários, surgindo como uma solução segura porque não há como imitar os perfis de comportamento que são registrados.

Os documentos afirmam que a Amazon teria que investir US$ 1,36 milhão (R$ 7,13 milhões na cotação atual) para adquirir uma licença de software capaz de lidar com 750 mil funcionários. O objetivo da empresa é eliminar completamente a existência de casos em que impostores acessem seus serviços até o final de 2022.

Imagem: Divulgação/Gerd Altmann/Pixabay

No entanto, a companhia observa que terá que enfrentar alguns desafios legais para conseguir coletar os dados de tecelagens de seus funcionários ao redor do mundo. Por isso, ela estuda usar novos modelos mais respeitosos à privacidade que seriam capazes de coletar as informações desejadas de forma anônima.

Em um comunicado enviado à Motherboard, a Amazon afirmou que, embora não compartilhe detalhes das tecnologias que usa, “explora continuamente e testa novas maneiras de proteger dados relacionados a usuários enquanto respeita a privacidade de seus empregados. E fazemos isso respeitando leis e regulamentos de privacidade”.

Esta semana, a NBC News revelou que empresas como Amazon, Apple e Uber contrataram uma companhia que fornece serviços de call center que está sendo acusada de violar os espaços pessoais de usuários. Um novo contrato estipulado pela Teleperformance em março deste ano afirma que funcionários devem permitir o monitoramento constante de tudo que fazem, o que inclui fornecer à companhia imagens de seus familiares e até mesmo menores de idade registradas por câmeras usadas durante o serviço.

Fonte: Motherboard

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.