Setores de finanças e seguros são os mais visados pelos cibercriminosos

Por Redação | 26 de Agosto de 2014 às 09h25

A IBM divulgou na semana passada seu relatório anual de serviços de segurança e revelou que os setores de finanças e seguros são os mais visados pelos cibercriminosos em todo o mundo. Ao lado do setor de manufatura, que ocupa a segunda posição com 21,7%, essas áreas representam praticamente 50% de todos os casos de ataques cibernéticos registrados. Fechando o Top 3, a área de informação e comunicação aparece com 18,6% dos ataques.

Segundo o líder de segurança da informação da IBM para a América Latina, Felipe Peñaranda, o cenário é praticamente o mesmo do ano passado, tendo as indústrias apenas "trocado as posições" entre si. Segundo Peñaranda, o fenômeno é justificado pelas grandes perdas sofridas pelas companhias quando o ataque é bem sucedido. "Elas [as invasões] podem permitir ganhos financeiros aos criminosos cibernéticos", disse.

Ainda de acordo com a Big Blue, em 2013 mais de 95% dos ataques cibernéticos tiveram origem a partir de falhas de segurança provocadas por ações humanas, como clicar em anexos infectados e em hiperlinks inseguros. Além disso, os cibercriminosos se aproveitam da má configuração das máquinas, a má gestão dos patches corretivos de segurança e o uso de logins e senhas padrões e os aproveitam como porta de entrada para obter acesso a informações pessoais e dados das vítimas.

O estudo também apontou os malwares e a varredura sustentada do sistema alvo como os dois principais tipos de ataques.

Leia também: Brasil é o país latino com mais ciberameaças no primeiro semestre de 2014

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.