Pesquisa: crianças de 11 anos já desenvolvem malware para dispositivos móveis

Por Redação | 21 de Fevereiro de 2013 às 17h57

Um estudo realizado no último trimestre de 2012 pela AVG mostra que o ano fechou com cerca de 3,9 milhões de ameaças existentes para dispositivos móveis. O sistema operacional Android continua como o mais vulnerável a ameaças, sendo o maior foco de criminosos de todas as idades que desenvolvem versões infectadas de serviços de mobile banking, games populares e mensagens de texto com links maliciosos.

“Por ter mais de 70% do mercado, o Android é um alvo potencialmente rentável para os mal intencionados. Os usuários precisam se conscientizar de que nos dispositivos móveis devem ter a mesma atenção e cuidado que ao navegar no PC, principalmente quando utilizar redes sociais, por onde são disseminadas muitas ameaças", afirma Mariano Sumrell, diretor de Marketing da AVG Brasil.

A pesquisa apontou ainda para uma popularização do exploit toolkit, que abre portas para a invasão dos equipamentos ligados à internet, que passou a ser comercializado por criminosos para pessoas sem conhecimento técnico, mas com intenção de utilizar códigos maliciosos. Segundo dados da AVG, o toolkit foi o malware mais utilizado no ano passado, representando quase 60% do total de ataques.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

Foi detectado ainda que crianças na faixa dos 11 anos já estão envolvidas no desenvolvimento de códigos que visam roubar informações e logins de outros jogadores. "Em pesquisas que fazemos há mais de dois anos temos notado a familiaridade cada vez maior das crianças com a tecnologia e, como consequência, também aprenderam a fazer mal uso da internet", explica Sumrell.

De acordo com o levantamento, games populares como Angry Birds Space também têm sido alvo de ataques. A situação conta com o agravante de que contas online em sites de games costumam conter dados bancários. Além disso, gamers costumam utilizar os mesmos logins e senhas para tais páginas, redes sociais e até e-mails, o que pode levar ao roubo de todas as informações.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.