Pesquisa: na segurança online, usuários são '8 ou 80'

Por Redação | 26 de Novembro de 2014 às 08h52
photo_camera PC World

Uma pesquisa recente realizada pela Pew Research Center e divulgada pelo New York Times mostrou que os americanos atualmente vivem um paradoxo de privacidade online. Ao mesmo tempo em que demonstram extrema preocupação com a privacidade na internet e celulares, afirmando que não confiam em empresas de tecnologia ou governo para protegê-los, eles continuam compartilhando informações sensíveis em vários serviços.

Entre os entrevistados 81% não se sentem seguros usando mídias sociais para compartilhar informações pessoais; 78% não se sentem seguros em bate papos online; 59% em mensagens de texto; 57% em e-mails; 46% em telefones celulares e 31% não sentem estar protegidos ao usar telefones fixos. Foi identificado ainda que, quanto mais o entrevistado tinha consciência sobre informações de vigilância do governo, mais propenso a afirmar que as comunicações não eram seguras ele era.

Segundo a Pew, os jovens passaram a demonstrar mais preocupação com a privacidade na comunicação digital após as revelações feitas por Edward Snowden, que delatou o esquema de vigilância governamental, mas, de uma maneira geral, os americanos parecem encarrar este tipo de situação como uma consequência da tecnologia ou acreditam que já é tarde demais para que algo seja feito sobre o caso.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Para alguns especialistas, os usuários não têm mesmo uma escolha real sobre o tema. Após anos usando as redes sociais, ou criando listas de contatos e armazenando os mais variados tipos de informação em serviços de e-mail, por exemplo, é quase impossível se desvincular desses meios e partir para uma vida sem redes sociais, sem e-mail e praticamente sem tecnologia. Tudo se agrava quando se percebe que as empresas exigem cada vez mais a aderência de seus funcionários ao mundo digital.

Apesar disso, a maioria dos entrevistados demonstrou desconfiança sobre o destino das suas informações pessoais na rede – 80% afirmaram se preocupar com os anunciantes e empresas que têm acesso às informações privadas e 70% disseram estar preocupados com o que o governo pode fazer com suas informações sem seu conhecimento.

Mesmo com altas proporções de desconfiança, há contradições entre os entrevistados: 55% afirmam que estão dispostos a compartilhar informações pessoais com empresas para ter acesso gratuito a determinados serviços e 36% gostam que os serviços estejam mais eficientes devido às informações que possuem sobre eles.

A Pew ainda verificou quais são as informações que os usuários consideram mais sensíveis e as listou desta forma: número do seguro social, informações de saúde, conteúdo de e-mails e telefonemas e localização. Segundo a pesquisa, os usuários estão menos preocupados com informações como seus hábitos de compras, consumo de mídia, opiniões políticas e religiosas e identidade dos amigos.

O estudo ainda indicou que pessoas com mais escolaridade e renda maior tendem a ser mais preocupadas com a privacidade online. Da mesma forma, os jovens são mais preocupados com essas questões. Para 59% deles, o conteúdo dos e-mails é algo sensível, enquanto apenas 42% dos adultos mais velhos demonstraram a mesma preocupação.

Para finalizar, a pesquisa constatou que 91% dos entrevistados concordam ou concordam fortemente que os usuários perderam o controle sobre as informações pessoais coletadas e usadas pelas empresas, todavia não sabem o que fazer a respeito. Além disso, dois terços dos entrevistados gostariam de poder proteger mais suas informações pessoais e o mesmo número acredita que o governo deveria adotar medidas mais eficientes para proteger os cidadãos online.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.