Filhos também devem instruir seus pais quanto à segurança na rede

Por Mariano Sumrell | 16.10.2012 às 09:10

*Por Mariano Sumrell

Em 2011, mais de 200 mil brasileiros saíram do país para estudar no exterior. A distância, que seria um grande drama para a família há algumas décadas, já não é mais um empecilho às empreitadas internacionais graças à tecnologia, que subverte as fronteiras geográficas e aproxima familiares separados por milhares de quilômetros.

A necessidade de comunicação com a família tem feito muitos adultos renderem-se às mídias sociais, sites de compartilhamento de fotos, vídeos e aplicativos de comunicação instantânea, muitas vezes ensinados pelos próprios filhos. Assim, chegamos a um momento de horizontalidade na compreensão da tecnologia, em que as gerações trocam informações e aprendem umas com as outras para tirar proveito do melhor que a conectividade pode prover.

Pais não habituados com a rede costumam estar alheios aos seus riscos, como as crianças, clicando em links sem verificar a procedência e tornando-se alvos fáceis para mal intencionados. Por isso, no mês das crianças, resolvemos alertar os filhos: quando instruírem seus pais sobre comunicação via internet, não se esqueçam de falar sobre a navegação segura.

Eis algumas dicas valiosas para usuários da internet de todas as idades:

  • Deve-se ter cuidado com informações e fotos, configurando níveis de privacidade e lembrando de que isso não garante a proteção contra pedófilos e cibercriminosos;
  • A partir de informações disponíveis na internet, é possível aplicar vários golpes, como se passar por outra pessoa, “resetar” senhas de e-mails e acesso às redes sociais, recadastrar senhas de cartão de crédito e banco. Ou seja, não é recomendado compartilhar informações bancárias ou que revelem a situação financeira da família, assim como seus hábitos;
  • Atenção à identidade das pessoas com quem você se comunica, nunca temos certeza sobre quem está do outro lado;
  • Analise bem o conteúdo do que pretende postar. O que você coloca na rede pode ficar gravado para sempre e prejudicá-lo no futuro, inclusive na busca de empregos;
  • Cuidado com as senhas:
  1. Devem ter no mínimo oito caracteres;
  2. Não podem ser sequências óbvias como 123, qwerty, asdf, abcd, entre outras;
  3. Não usar nomes e palavras por causa dos ataques de dicionário;
  4. Não usar datas de nascimento suas ou de parentes;
  5. Não usar termos como "mengao", "vai curintians", entre outros.
  • Atualizar antivírus, sistemas operacionais e aplicativos;
  • Nunca podemos confiar na confidencialidade dos e-mails. Assim, cuidado redobrado com informações sensíveis e fotos indiscretas;
  • Cuidado com as fotos enviadas por celular. A pessoa em quem você confia hoje pode não inspirar tanta confiança amanhã;
  • Crianças pequenas não devem acessar a internet sem assistência de pessoa responsável.

*Mariano Sumrell é diretor de marketing da AVG Brasil e colunista do Canaltech.