O Natal e as fraudes no e-commerce

Por Colaborador externo | 17 de Dezembro de 2012 às 18h10

Por Daniel Bento*

Chega o Natal, momento que todos esperam, alegrias e festividades por vir. Data ainda mais aguardada para o varejo, que tem seu período de maior venda. No e-commerce isso não é diferente, e o Natal, em 2011, representou 15% do faturamento total do setor, movimentando R$ 2,5 bilhões dos R$ 18,7 bilhões arrecadados durante o ano, segundo dados do e-bit.

Porém, esse período que movimenta tamanho fluxo de dinheiro, também traz consigo um alerta vermelho piscando: quanto mais pedidos, mais frequentes são as tentativas de fraude, maiores os riscos para os lojistas virtuais e e-consumidores desprotegidos ou desatentos.

De acordo com a Câmara-e.Net (Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico), as tentativas de fraudes em uma loja virtual podem representar até 4% do volume total de pedidos, ou seja, se todos eles fossem processados o prejuízo poderia chegar a quase R$ 1 bilhão.

Imagine a seguinte cena de caos instalado dentro de um e-commerce: vendas em alta, clientes apressados/estressados, ritmo acelerado na liberação dos pedidos, ninguém tem tempo sequer de ir ao banheiro, e é aí obviamente que o fraudador gosta mais de atacar. O lojista então se vê forçado a tomar uma difícil decisão: aumentar o nível de segurança nas aprovações de pedidos e correr o risco de perder muitos clientes legítimos, ou abrir as portas para que mais pedidos fluam, ficando assim mais expostos a esses riscos.

Esse ponto crítico é onde surge a grande necessidade de contar com o parceiro certo e soluções que auxiliem na identificação do bom cliente e do mal intencionado; por isso questione sempre o seu provedor de plataforma de e-commerce, o seu atual provedor de sistemas de antifraude, seu analista técnico, enfim, qualquer um que possa lhe dar respostas e aconselhá-lo sobre os melhores caminhos para seu negócio.

Dentre as perguntas que você se deparará, algumas são fundamentais para ter sucesso na prevenção de fraudes durante esse período de compras em alta: qual a capacidade de transações do parceiro de antifraude? Quanto tempo em média ele leva para liberar um pedido meu? O suporte dele é adequado, me traz tranquilidade? Qual o % dos seus pedidos que seguirão para a chata e demorada avaliação manual? As equipes de avaliação manual dessa plataforma têm uma abordagem condizente com meus clientes? Ele tem know-how de e-commerce? Etc etc etc.

Se você for uma empresa atenta ao que acontece também fora do Brasil, você poderá identificar que as principais ferramentas mundiais de antifraude estão chegando somente agora em nosso país. Essas novas plataformas são tão avançadas que chegam a eliminar até mesmo a necessidade de se ter uma base de dados de compradores locais. Algumas dessas ferramentas, por exemplo, conseguem liberar 97% dos seus pedidos em até 2 segundos; é isso mesmo, em dois segundos você terá 97% dos seus pedidos verificados!

Um ponto precisa ser dito: entender a mecânica de fraude no e-commerce é a única decisão inteligente que você pode tomar para o bem do seu negócio; não tenha medo do fraudador, você deve combatê-lo com as ferramentas adequadas. Apenas para reforçar o que eu estou dizendo, é fato que qualquer plataforma de antifraude que existe hoje no mercado pode facilmente controlar seus problemas em níveis inferiores a 1%, por isso, nunca tenha medo de entender como a fraude acontece.

Com tamanho mercado à frente, as escolhas de como e com quem caminhar nesse espinhoso, porém promissor período é fundamental. Os desafios foram feitos e podem ser cumpridos, os caminhos para detecção e prevenção a fraudes estão aí para serem desbravados. Escolha suas armas e vá à luta, e claro, boas vendas e boas festas!

*Daniel Bento é Co-Fundador e CCO da maxiPago.

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!