McAfee alerta para compartilhamento íntimo em dispositivos móveis

Por Redação | 12.06.2014 às 10:18

A maioria dos consumidores brasileiros que se comunica via dispositivos móveis corre grande risco de ter seus momentos íntimos expostos na web. Esta é a conclusão de uma pesquisa realizada pela empresa especializada em segurança digital McAfee.

"Com todas as histórias que ouvimos sobre fotos íntimas sendo vazadas, é difícil acreditar que as pessoas ainda estão compartilhando suas senhas", diz Gary Davis, vice-presidente de negócios de consumo da McAfee.

"Eles estão aumentando os riscos dessas fotos se tornarem públicas e, possivelmente, comprometerem sua identidade e reputação. Os consumidores devem tomar precauções e usar a segurança móvel para garantir que dados pessoais se mantenham privados".

A pesquisa da McAfee envolveu 500 consumidores brasileiros e revelou o perfil de quem gosta de compartilhar conteúdo picante na web, incluindo vídeos, fotos, e-mails e mensagens. O levantamento constatou que a maioria dos usuários (62%) envia conteúdo erótico via web e também o armazena.

Apesar de quase todo mundo (82%) proteger seus smartphones com senhas ou outros códigos de segurança, grande parte não cuida muito bem de suas informações pessoais, o que pode resultar em problemas de segurança como o cyberstalking, que é o assédio ou perseguição por meio de exposição de material privado.

A pesquisa indica que 43% dos entrevistados compartilham suas senhas com parceiros e 49% usam o mesmo código para vários dispositivos. Os números apontam para um cenário ainda mais favorável aos hackers: 60% veem o conteúdo alheio no smartphone e 63% dividem as mesmas contas de e-mail.

A maior parte (76%) envia conteúdo íntimo para seus parceiros e apenas 17% para desconhecidos. Das 500 pessoas entrevistadas, 91% acreditam que o material compartilhado não será encaminhado para terceiros e 75% pedem para que o conteúdo seja apagado após o relacionamento.

Os mais jovens são os que mais se preocupam com esse tipo de exposição. Boa parte (79%) dos entrevistados entre a faixa etária de 18 a 24 anos admitiu dar uma olhadinha no smartphone do parceiro para conferir o que há nele. E 39% procuram por informações de suas companhias na web, enquanto 27% acessam o Facebook ao menos uma vez ao dia pra saber se há algum flerte alheio.

A melhor forma de proteger o conteúdo é não compartilhar senhas de dispositivos móveis com ninguém. Além disso, códigos que podem ser facilmente descobertos, a exemplo de datas de aniversários, números repetidos ou em sequência, devem ser evitados.

Segundo a McAfee, a maneira mais segura de configurar uma senha é utilizar códigos de seis dígitos e letras transformadas em números.