Julian Assange diz que deixará embaixada do Equador em Londres em breve

Por Redação | 18.08.2014 às 12:49
photo_camera Divulgação

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, disse nesta segunda-feira (18) em uma entrevista coletiva que pretende deixar a embaixada do Equador em Londres "em breve" para evitar ser extraditado para a Suécia. Assange, que está refugiado no endereço há dois anos, não revelou nenhum detalhe sobre como e nem quando deixará a embaixada equatoriana na capital do Reino Unido.

"Eu posso confirmar que estarei deixando a embaixada em breve, mas não pelos motivos que as pessoas devem estar pensando", explicou Assange aos jornalistas na embaixada, no centro de Londres. A informação foi veiculada no canal britânico Sky News, que pertence em parte à 21st Century Fox, e repercutida em agências de notícias como Reuters e AFP.

Na entrevista, Assange estava acompanhado pelo ministro equatoriano das Relações Exteriores, Ricardo Patiño. O chanceler não mencionou nenhum plano para retirar Assange da embaixada, mas defendeu a atuação de todos os governos envolvidos no caso, destacando que a permanência de Assange no prédio da embaixada por dois anos "é muito tempo". Além disso, Patiño disse que o governo equatoriano segue oferecendo proteção a Assange e está disposto a conversar com os governos britânico e sueco para encontrar uma solução.

O porta-voz de Assange disse à Reuters que ele só poderia sair do país se o governo britânico "retirar o cerco do lado de fora", pois o fundador do WikiLeaks não tem intenção de se entregar à polícia. O australiano de 43 anos alega ter medo de ser processado caso a Grã-Bretanha o extradite para a Suécia, que por sua vez o entregaria ao governo dos Estados Unidos, onde responderia na justiça pela divulgação de centenas de milhares de documentos secretos do exército e do governo norte-americano.

Abaixo, o vídeo do pronunciamento oficial de Assange ao lado do ministro equatoriano, Ricardo Patiño, publicado pela CNN:

Arquivos

O WikiLeaks é um site que foi fundado por Julian Assange para revelar informações confidenciais de interesse público, especialmente dados de governos. O site ficou conhecido mundialmente em 2010, quando divulgou segredos do exército dos EUA e documentos diplomáticos. Um dos delatores é o ex-soldado Bradley Manning - que mudou de sexo e agora se chama Chelsea Elizabeth Manning -, que foi considerado culpado por fornecer informações a Assange e condenado a 35 anos de prisão.

Desde junho de 2012, Assange vive um impasse internacional e se encontra abrigado na embaixada do Equador, em Londres. Ele é acusado de crimes sexuais na Suécia e, se deixar seu local de asilo, será extraditado para responder judicialmente às infrações. O ativista nega as acusações e afirma que elas foram forjadas com motivação política, como uma represália pela revelação de documentos secretos.