No Reino Unido, acesso a sites pornôs será totalmente bloqueado por provedores

Por Redação | 22.07.2013 às 13:25

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, anunciou que a maioria das famílias britânicas terá conteúdo pornográfico bloqueado pelo seu provedor de Internet, a menos que eles escolham recebê-lo.

Em seu discurso, Cameron disse que a posse de pornografia online com cenas que simulam estupro seria considerada ilegal na Inglaterra e nos País de Gales. O primeiro-ministro advertiu que o acesso à pornografia na web está "corroendo a infância". As novas medidas serão aplicadas a clientes existentes e também novos assinantes.

Algumas palavras consideradas "horríveis" pelo chefe de governo do Reino Unido também devem entrar para uma espécie de lista negra, que anularia automaticamente seus resultados em sites de busca. Para Cameron, os prestadores de serviço "não estavam fazendo o suficiente para assumir a responsabilidade", apesar de ter o "dever moral" de fazê-lo.

O filtro familiar que será implantado no Reino Unido será ativado automaticamente para todos os novos clientes até o final do ano, embora exista a opção de desligá-lo. O filtro também se aplica a todos os dispositivos conectados à rede doméstica e até mesmo redes Wi-Fi públicas, onde as crianças podem estar presentes. Outras medidas anunciadas pelo primeiro-ministro incluem:

  • Novas leis para streaming de vídeos online no Reino Unido – onde os vídeos estarão sujeitos às mesmas restrições que aqueles vendidos em lojas.
  • Os motores de busca têm até outubro para apresentar novas medidas para bloquear conteúdo ilegal.
  • Especialistas do "Centro Britânico Contra Exploração Infantil e Proteção Online" vão ganhar poderes para examinar redes de compartilhamento de arquivos secretos.
  • Um banco de dados com imagens de pornografia infantil recolhidas pela polícia em todo o Reino Unido e mantidas em segurança pelo governo será usado para rastrear conteúdos ilícitos e pedófilos.

"Eu não estou fazendo este discurso porque quero ser moralista ou alarmista, mas porque eu sinto profundamente, como um político e como pai, que chegou a hora de agir. Isto é, simplesmente, sobre como podemos proteger os nossos filhos e sua inocência", explicou Cameron.