Diretor do TeamViewer aconselha usuários a não apostarem totalmente na nuvem

Por Redação | 15.10.2014 às 12:45

O recente caso de vazamento de logins e senhas do Dropbox continua causando preocupações. O mais recente comentário sobre o caso vem de Kornelius Brunner, diretor do TeamViewer, que afirma que os usuários não devem apostar totalmente na computação nas nuvens nem deixarem seus dados totalmente nas mãos de terceiros.

É uma afirmação que pode soar estranha, vindo da boca de um executivo que é parte de um dos principais serviços de acesso remoto e comunicação online do mundo. Mas as palavras têm motivo. Para Brunner, a ideia é que os clientes saibam exatamente de que forma o serviço que estão escolhendo contratar lida com a proteção das informações e quais medidas de segurança estão implementadas para garantir que invasões, brechas de segurança e outros problemas do tipo não aconteçam.

Entre os métodos recomendados pelo executivo, do lado das empresas, está o oferecimento de sistemas de autenticação em duas etapas, versões mais recentes de criptografia e centrais de dados que estejam dentro das regulações de segurança. Além disso, ele aconselha os usuários a evitarem utilizar a mesma senha em todos os serviços acessados, já que um vazamento desse tipo, por exemplo, pode acabar abrindo brechas para acesso indevido e roubo de dados em outras plataformas.

Ademais, Brunner volta sua atenção para as implicações legais desse tipo de problema. “Neste caso, ainda não está claro como os criminosos conseguiram acessar os dados. Em questão de dúvida, [os terceiros] não são obrigados a assumir responsabilidade [pelas informações]”, disse. “É importante encontrar o equilíbrio certo entre os conceitos de segurança, tecnologia e [esse aspecto].”

Até o momento, o Dropbox está negando qualquer tipo de invasão em seus sistemas, afirmando que a brecha aconteceu em algum serviço de terceiros, mas conectado à ferramenta. Mesmo assim, a empresa tomou medidas para melhorar a segurança no acesso e solicitou que seus usuários modifiquem as senhas, além de dar a eles a mesma instrução de Brunner, para que evitem usar as mesmas combinações em mais de um serviço.