Crianças criam programas para hackear games e obter conteúdo digital

Por Redação | 09.02.2013 às 14:30

Crianças de 11 anos de idade já escrevem códigos maliciosos e usam programas para hackear contas em sites de games e redes sociais, afirma uma pesquisa divulgada pela AVG. De acordo com o levantamento, os jovens buscam uma forma fácil de obter moedas e outros itens virtuais nestes jogos, roubando-os de outras pessoas.

Em um dos casos estudados, engenheiros conseguiram reverter um código amador utilizado para identificar uma criança canadense que estava utilizando o golpe. "Enquanto mais escolas educarem as pessoas para programação neste estágio da vida, antes delas serem adultas para compreender o impacto do que fazer, esses casos continuarão a crescer", afirmou o diretor de tecnologia da AVG, Yubal Ben-Itzhak, à BBC.

A maioria das crianças escrevia códigos em linguagens básicas de programação, como Visual Basic e C#. Os pesquisadores notaram que alguns dos códigos possuiam erros literalmente primários, que hackers profissionais não cometeriam.

Um código em especial foi analisado, que tentava enganar jogadores de Runescape, um popular jogo online que conta com mais de 200 milhões de jogadores. O hack, apelidado de Runescape Gold Hack, prometia dar aos jogadores moedas virtuais gratuitas, mas, na verdade, roubava detalhes das contas de outros jogadores.

"Nós descobrimos que o malware tentava roubar dados de pessoas e mandá-los para um e-mail específico", conta Ben Itzhak. O código levou diretamente a um garoto canadense de 11 anos.

Segundo a BBC, cada vez mais escolas no Reino Unido incentivam o ensino de programação para crianças, em vez de computação básica. A iniciativa é apoiada por empresas como a Microsoft e o Google. Para Ben-Itzhak, juntamente ao ensino, é necessário que as crianças sejam educadas sobre o que fazer com suas novas habilidades.