Ciberespionagem e ataques a pequenas e médias empresas crescem em todo o mundo

Por Redação | 16 de Abril de 2013 às 16h45

O último Relatório de Ameaças à Segurança na Internet (ISTR) da empresa de segurança Symantec mostrou que os cibercriminosos estão voltando seus esforços para realizar ataques direcionados. Esse tipo de crime virtual registrou um aumento de 42% no ano passado.

Divulgado nesta manhã (16), o relatório alerta que esse tipo de ataque, geralmente utilizado para espionagem industrial, possui um objetivo específico ao ser lançado. Apenas em 2012, 31% de todos os ataques foram direcionados para companhias com menos de 250 colaboradores. O fato de as PMEs acreditarem que não estão na mira desse tipo de crime é um fator positivo para os cibercriminosos.

A falta de infraestrutura e práticas de segurança adequadas, comuns entre as PMEs, contam muito na hora de escolher um alvo para os ataques. Dados dos clientes, propriedade intelectual e dados bancários da empresa são grandes atrativos para os cibercriminosos.

Leia também: Dicas de segurança para pequenas e médias empresas

"O ISTR deste ano mostra que os cibercriminosos não estão reduzindo suas atividades e continuam a planejar novas maneiras de roubar informações de organizações de todos os tamanhos. A sofisticação dos ataques, combinada com a atual complexidade da TI - a exemplo de virtualização, mobilidade e nuvem - exigem que as empresas se mantenham pró-ativas e usem medidas de segurança com defesa avançada para prevenir ataques", afirmou André Carrareto, Estrategista em Segurança da Symantec para o Brasil.

Uma das portas de entrada prediletas dos criminosos é o site de uma empresa, e essa tendência só aumenta. Em 2012, os ataques baseados na web apresentaram um crescimento de 30%. Depois de infectado, o site da empresa é usado para realizar um ataque cibernético em massa, tanto que no ano passado um grupo conhecido como 'Elderwood' conseguiu infectar 500 organizações em um único dia com esse tipo de ataque.

Mobilidade x Segurança

Com o aumento do uso das plataformas móveis, cresceu também o número de malwares voltados para elas. Apenas em 2012, houve um aumento de 58% na quantidade de malwares para dispositivos móveis, a maioria delas para o Android - que, apesar de possuir menos vulnerabilidades, ainda é responsável pelo maior número de ameaças entre os sistemas operacionais móveis. Em suma, 5.291 novas vulnerabilidades foram descobertas em 2012, e 415 delas ocorreram em sistemas operacionais móveis.

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.