BYOD: a flexibilização do trabalho toma um caminho controverso

Por Redação | 09 de Julho de 2013 às 16h17

A proposta do bring your own device (BYOD) nas empresas é flexibilizar o trabalho, facilitando o acesso do colaborador à empresa e permitindo inovação. Isso, contudo, não é exatamente o que vem acontecendo nas corporações que já adotaram essa prática, segundo uma pesquisa feita pelo Gartner.

Segundo o resultado apresentado, apenas 38% das empresas esperam fornecer aos funcionários um dispositivo mobile corporativo para ser usado para fins de trabalho até 2016. Sendo assim, a grande maioria dos funcionários terá, muito provavelmente, a obrigação de usar o seu smartphone ou tablet pessoal. Bom, mas não é justamente essa a ideia do BYOD? Conforme afirma o próprio Gartner, a maioria dos líderes ainda não entendeu muito bem a proposta.

A partir do momento que um colaborador leva seu dispositivo até o setor de TI da empresa para que sejam instalados alguns aplicativos de segurança – afinal, obviamente, as corporações precisam se proteger de invasões e de vazamentos –, a privacidade dos seus próprios arquivos está em jogo, já que tudo será devidamente monitorado.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

Menos obrigatoriedade, mais flexibilidade

Se você está disposto e quer usar um aparelho de sua preferência para trabalhar, ótimo, o BYOD está aí para isso. Entretanto, quando a obrigatoriedade entra em cena, os problemas começam. Para James Connolly, do 21st Century IT, é justamente nesse momento que a relação de parceria entre funcionário e empresa acaba, dando início a uma já ultrapassada ideia de que o emprego que você tem é uma espécie de favor que a empresa faz.

Dessa forma, é importante resgatar dentro das corporações o verdadeiro propósito de flexibilidade do BYOD, deixando de lado a obrigação e as implicações com a privacidade. "Estratégias de BYOD são a mudança mais radical que já aconteceu na economia e na cultura da computação em décadas. Os benefícios do BYOD incluem criar novas oportunidades de frentes de trabalho, aumentando a satisfação do funcionário e reduzindo ou evitando custos", afirma David Willis, vice presidente do Gartner.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.