As redes wi-fi que você acessa são realmente seguras?

Por André Carraretto | 16 de Dezembro de 2014 às 07h25

O crescimento do uso de dispositivos móveis e a busca pela economia de dados 3G dos brasileiros fazem com que seja cada vez mais comum que usuários domésticos e empresariais busquem a tecnologia wi-fi para acessar a Internet. Entretanto, o hábito de se conectar por esse tipo de rede parece não receber a mesma preocupação com a segurança da informação que é visto em outros momentos – como ao acessar sites a partir de computadores pessoais, por exemplo. E essa falta de cuidado acaba por aumentar em muito o risco de invasões e vazamentos de dados confidenciais.

O Wardriving, estudo de campo realizado pela Symantec que analisou o nível de segurança das redes wi-fi nas principais capitais brasileiras, revelou que o número de conexões com proteção inexistente ou baixa é alarmante e chegou a 24% no Recife (PE) e a 13% em Fortaleza (CE), por exemplo. Tal fato demonstra que residências e corporações não utilizam medidas de segurança básicas para evitar ataques virtuais, o que pode gerar brechas para cibercriminosos realizarem violações e roubarem dados sigilosos1.

O resultado do estudo reforça a necessidade de conscientizar a população sobre os riscos de utilizar uma conexão sem o nível de segurança recomendado. Atualmente, estão disponíveis três tipos diferentes de configuração - WEP, WPA e WPA2, listados do mais antigo ao mais atual. O primeiro é o mais vulnerável e exige um baixo nível de conhecimento técnico para que seja invadido e acessado. O WPA, por sua vez, oferece nível de criptografia e segurança médios ao usuário. Já o WPA2 é o tipo mais seguro e o mais recomendado para empresas e residências. Tais níveis podem ser identificados ao buscar as redes wi-fi em seu dispositivo.

Além disso, é aconselhável que os usuários adotem medidas simples, como não acessar redes sem fio desconhecidas, utilizar o 3G e 4G de sua operadora móvel caso seja necessário trafegar informações confidenciais e possuir uma solução de segurança em seus dispositivos móveis. Já para os donos das redes wi-fi, recomenda-se trocar a senha padrão de acesso para gestão do dispositivo, bem como periodicamente trocar a senha de conexão à rede Wi-fi.

Com essas simples atitudes, os usuários podem manter sua privacidade online, aproveitando toda a comodidade que esse tipo de rede pode proporcionar. Afinal, acessar dados sem proteção pode expor informações como senhas de bancos e credenciais de acesso de serviços pessoais e empresariais, trazendo grandes prejuízos.

1De acordo com o Relatório de Ameaças à Segurança na Internet de 2014, Volume 19, publicado em abril/2014.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.