Alarmtek apresenta sistema que usa cortina de fumaça para proteger bancos

Por Rafael Romer | 05.06.2014 às 10:54
photo_camera Rafael Romer/Canaltech

A empresa brasileira do setor de segurança AlarmTek apresentou durante a Ciab 2014 seu novo sistema que utiliza uma cortina de fumaça para fazer a segurança de agências bancárias e caixas eletrônicos.

Desenvolvido em parceria com a Samsung, o sistema cria uma espessa neblina artificial branca capaz de encobrir todo o ambiente de um caixa ou agência para obstruir a visão de criminosos no caso de uma tentativa de roubo.

"O ladrão vai preparado para fazer um roubo, com um script no qual tem segundos para fazer isso e é supreendido por um sistema que tira todo o foco", explicou o Diretor Executivo da AlarmTek. "Você cria um ambiente de stress total".

De acordo com a empresa, a neblina disparada é inofensiva para seres humanos e não causa irritação nos olhos ou pele. A fumaça também não danifica qualquer tipo de equipamento ou produto orgânico, nem deixa resíduos.

A ideia do sistema é coibir o roubo de caixas eletrônicos antes que os criminosos consigam chegar às máquinas para tentar abrí-las com explosivos. Ao sentir qualquer tipo de atividade anormal em um ambiente protegido, como uma porta de vidro sendo quebrada ou mesmo movimentação dentro de uma agência, o sistema é ativado e libera a fumaça por um intervalo de 30 segundos.

A fumaça também pode ser acompanhada por um alarme sonoro contínuo, que, além da visão, dificulta a comunicação dos invasores.

Além disso, o sistema também pode ser controlado à distância através de tablets assim que equipes de segurança visualizarem algo fora do padrão. O sistema ainda possui comunicação com aúdio bidirecional, que torna possível ouvir e se comunicar com os ladrões.

Até o final do ano, a empresa deve instalar o sistema em 1,1 mil agências da Caixa Econômica. De acordo com o executivo, a empresa também está em processo de negociação com os bancos Itaú e Santander. A ideia é que o sistema ainda seja empregado em outros comércios com demanda alta por segurança, como joalheirias e casas de câmbio.

Ciab

Empresa demonstrou ativação da solução em um ambinete fechado durante Ciab 2014 (foto: Rafael Romer/Canaltech)