40% dos executivos de TI admitem manter dados comprometedores em seus celulares

Por Redação | 19 de Novembro de 2014 às 16h36

Teoricamente, profissionais de tecnologia e executivos de TI seriam os indivíduos com maior conhecimento sobre segurança da informação e as ameaças existentes no mundo digital. Mas uma pesquisa da ESET revelou que mesmo eles acabam negligenciando um pouco essa realidade, já que 39% dos entrevistados admitiram que teriam problemas com fotos, dados e informações confidenciais armazenadas em seus smartphones caso os perdessem.

Isso vale tanto para informações pessoais quanto para arquivos secretos da empresa que representam. Só que, no segundo caso, o índice é ainda maior, com 46% dos entrevistados para o estudo admitindo que caso hackers obtivessem acesso às informações contidas em seus smartphones, vantagens estratégicas e dados sigilosos das companhias seriam perdidos ou estariam em risco.

Para o country manager da ESET, Camillo Di Jorge, trata-se de uma forte contradição, uma vez que os mesmos profissionais que mais deveriam estar antenados sobre os problemas de segurança digital são aqueles que acabam negligenciando esse fator. Por mais que a pessoa seja cautelosa, smartphones e outros dispositivos móveis estão sempre passíveis de perda ou roubo e, por isso, a presença de informações sigilosas ou comprometedoras em tais aparelhos é uma ameaça constante.

O problema se torna ainda mais grave quando se fala de executivos de empresas, ocupando altos cargos. Nestes casos, eles podem até mesmo se tornarem alvos de uma ação direcionada, com a invasão aos dispositivos móveis ou o furto deles acontecendo intencionalmente, com o objetivo de obter acesso aos dados sigilosos que podem estar armazenados ali.

Além de negligenciarem tal aspecto, 22% dos entrevistados durante o IPEXPO, evento no qual a pesquisa foi realizada, disseram não saberem ou não contarem com um sistema capaz de apagar dados remotamente. Esse tipo de solução, muitas vezes nativa em smartphones, é essencial no caso de roubos e perdas, já que permite o bloqueio remoto do celular e a limpeza completa de sua memória. Os dados podem até acabar perdidos para sempre, mas pelo menos, não caem em mãos erradas, o que seria prejuízo maior.

Para que todos possam proteger melhor suas informações, a ESET indica o uso de soluções de segurança e senhas de acesso aos smartphones, de forma que o conteúdo do aparelho só possa ser acessado mediante verificações. Além disso, é importante tomar medidas para garantir o sigilo em caso de perda ou roubo dos aparelhos.

Uma boa dica, por exemplo, é configurar os aplicativos de e-mail para que eles não armazenem as mensagens por mais do que poucos dias, de acordo com a necessidade de cada um. Fotos e dados também devem ser removidos, a não ser que sejam essenciais. Realize backups, copiando as informações sensíveis para computadores e dispositivos internos, para que possam ser apagadas do dispositivo móvel e estejam seguros em caso de perda.

Acima de tudo, sempre tenha uma solução de acesso remoto instalada e funcional. Realize testes em casa, em um ambiente controlado, e sempre tenha a certeza de que será possível acessar seu dispositivo à distância para realizar a limpeza dos dados. Caso se veja sem seu smartphone, realize esse procedimento o mais rápido possível.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.