Número de novas ameaças descobertas neste início de ano já é igual a todo 2013

Por Redação | 06 de Março de 2014 às 11h25
Divulgação

Vírus e ameaças virtuais de todos os tipos já não são mais exclusividades dos computadores de mesa. Com a rápida adoção dos dispositivos móveis, os cibercriminosos têm mudado suas táticas para atacar justamente os tablets, smartphones e outros aparelhos portáteis que guardam informações pessoais e importantes de milhões de usuários. E, segundo a Kaspersky Lab, isso tudo só deve piorar.

No ano passado, foram descobertos 145 mil novos programas maliciosos direcionados para aparelhos móveis e, desde o dia 1º de Janeiro de 2014, os registros já contam com um total de 143.211 amostras de malwares móveis. De acordo com pesquisadores da Kaspersky Lab que conduziram o estudo, esse número é mais do que o dobro registrado em 2012, quando foram detectadas exatas 40.059 amostras de malware.

Os cinco países com maior número de usuários únicos atacados foram a Rússia (40%), India (8%), Vietnã (4%), Ucrânia (4%) e Reino Unido (3%). Segundo o relatório, a maioria dos malwares móveis detectados no ano passado tinham como objetivo roubar dinheiro dos internautas de duas formas fraudulentas: o phishing e os trojans bancários. Ambos utilizam técnicas parecidas que "pescam" dados, senhas, números de cartões de crédito e infomações pessoais dos usuários através de mensagens falsas enviadas principalmente por e-mail e SMS.

Assista Agora: Descubra o jeito certo de criar verdadeiros times de alta-performance e ter a empresa inteira focada em uma única direção.

Em alguns casos, os trojans são mais perigosos porque podem roubar diretamente o dinheiro das contas bancárias da vítima. E os bandidos parecem ter abraçado o uso desses programas maliciosos para roubar dinheiro, já que foram detectados 1.321 novos vírus no final de 2013 - no começo do ano passado eram apenas 64 Trojans bancários conhecidos.

"Hoje em dia, a maioria dos ataques de trojans bancários destinam-se aos usuários da Rússia e da CIS (Comunidade dos Estados Independentes). Visto o grande interesse dos cibercriminosos pelas contas bancárias dos usuários, a Kaspersky prevê que a atividade dos Trojans de online banking cresça e se alastre para outros países em 2014", afirma Victor Chebyshev, analista de vírus da Kaspersky Lab.

Perigo no Android

Se usar o tablet ou celular já está ficando arriscado, a situação é ainda mais preocupante para quem tem um gadget equipado com o sistema operacional Android. Quase todas as ameaças identificadas (98,1%) foram destinadas à plataforma móvel do Google. De acordo com a Kaspersky, os crackers utilizaram aproximadamente quatro milhões de aplicativos maliciosos para distribuir malware nesses dispositivos, sendo que, entre 2012 e 2013, foram somadas dez milhões de novas ameaças para donos de aparelhos Android.

O foco no robô verde do Google acontece devido a sua crescente popularidade e seu sistema de código aberto, que permite um número maior de brechas de segurança e vulnerabilidades. Por meio dessas pequenas lacunas, os ladrões podem incrementar novas técnicas de ataque para invadir o dispositivo do usuário mesmo sem ele saber e o grande problema é que tais falhas só podem ser corrigidas se a fabricante do produto, ou do software (no caso o Google), liberar uma atualização que corrija o erro.

Os métodos mais comuns utilizados pelos crackers para infectar um dispositivo envolvem alterar sites originais para fazer com que a vítima acredite que aquela página é legítima. A partir daí, o cibercriminoso pode distribuir softwares e programas maliciosos que incentivam o internauta a clicar em links aparentemente confiáveis, mas que na verdade são armadilhas.

O estudo completo da Kaspersky Lab pode ser acessado neste link aqui (em inglês).

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.