Tomar antibiótico na infância pode afetar desenvolvimento do cérebro, diz estudo

Tomar antibiótico na infância pode afetar desenvolvimento do cérebro, diz estudo

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 29 de Julho de 2021 às 08h30
Christina Victoria/Unsplash

Um novo estudo da New York University apontou que a exposição a antibióticos na infância pode alterar o desenvolvimento do cérebro em áreas responsáveis ​​pelas funções cognitivas e emocionais.

Segundo esse estudo, a penicilina muda o microbioma (os trilhões de microrganismos benéficos que vivem dentro e sobre nossos corpos) e a expressão gênica, que permite que as células respondam a seu ambiente em mudança.

O estudo comparou camundongos que foram expostos a baixas doses de penicilina no útero ou imediatamente após o nascimento com aqueles que não foram expostos. Dessa forma, os pesquisadores descobriram que camundongos que receberam penicilina tiveram mudanças drásticas na microbiota intestinal e na expressão gênica no córtex frontal e na amígdala, duas áreas do cérebro responsáveis ​​pelo desenvolvimento da memória, do medo e das respostas ao estresse.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: Fakurian Design/Unsplash)

"O início da vida é um período crítico para o neurodesenvolvimento. Nas últimas décadas, houve um aumento na incidência de transtornos do neurodesenvolvimento infantil, incluindo transtorno do espectro do autismo, transtorno de déficit de atenção e dificuldades de aprendizagem. Embora o aumento da consciência e do diagnóstico sejam provavelmente fatores contribuintes, interrupções na expressão do gene cerebral no início do desenvolvimento também pode ser responsável", apontam os pesquisadores.

No entanto, alguns estudos ainda são necessários para determinar se os antibióticos realmente afetam de forma direta o desenvolvimento do cérebro ou se as moléculas do microbioma que viajam para o cérebro perturbam a atividade do gene e causam déficits cognitivos.

Fonte: EurekAlert!

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.