Cientistas bloqueiam replicação do coronavírus em células humanas em novo estudo

Cientistas bloqueiam replicação do coronavírus em células humanas em novo estudo

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 26 de Julho de 2021 às 13h40
Mattthewafflecat/Pixabay

Existe uma técnica de edição genética chamada CRISPR (Clustered Regularly Interspaced Short Palindromic Repeats), que se refere a repetições na cadeia do DNA programadas para direcionar trechos específicos do código genético e editar o DNA de forma precisa. E foi por meio dessa técnica que uma equipe de pesquisadores da Universidade de Melbourne (Austrália) conseguiu bloquear a replicação do coronavírus em células humanas.

No novo estudo, os pesquisadores usaram a técnica voltada a uma enzima chamada Cas13b, que fragmenta filamentos simples de RNA, como os encontrados no SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19. A CRISPR-Cas13b foi projetada, então, para atingir locais específicos no RNA do SARS-CoV-2. Uma vez que a enzima se liga ao RNA, ela destrói a parte do vírus necessária para se replicar.

(Imagem: HwangMangjoo/Rawpixel)

Os pesquisadores também descobriram que seu método funcionou mesmo quando novas mutações foram introduzidas no genoma do SARS-CoV-2, incluindo aquelas vistas na variante alfa do coronavírus, descoberta pela primeira vez no Reino Unido.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Vale salientar que essa abordagem pode um dia servir como um possível tratamento para COVID-19, mas é preciso entender que, por enquanto, o estudo ainda não foi testado em animais ou pessoas, o que significa que um tratamento baseado no método ainda pode levar anos para se tornar realidade.

Os medicamentos que usam a tecnologia CRISPR ainda não foram aprovados para tratar quaisquer doenças, mas vários estudos estão em andamento para testar terapias baseadas na técnica. De qualquer forma, o estudo completo pode ser acessado na revista científica Nature Communications

Fonte: Live Science

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.