Anvisa aprova novo local para produção de insumo da AstraZeneca; e isso é ótimo

Anvisa aprova novo local para produção de insumo da AstraZeneca; e isso é ótimo

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 10 de Novembro de 2021 às 17h10
Mika Baumeister/Unsplash

Na terça-feira (9), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou que um novo local fabrique o insumo farmacêutico ativo biológico (Ifab) da vacina Covishield (AstraZeneca/Oxford) contra a covid-19. Após a fábrica argentina receber a Certificação de Boas Práticas de Fabricação (CBPF), a capacidade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em produzir ou importar imunizantes para os brasileiros deve ser ampliada.

Durante o processo de análise, a avaliação da Anvisa foi feita de forma remota. No entanto, foram consideradas credenciais e certificações de qualidade internacionais, como o relatório emitido pela ANMAT — a agência reguladora argentina e integrante do Pharmaceutical Inspection Co-operation Scheme.

Fábrica argentina poderá produzir matéria-prima para a vacina contra a covid-19 da AstraZeneca (Imagem: Reprodução/ Ssp48/Envato Elements)

Por que a liberação de novos locais é boa para o Brasil?

Localizada em Buenos Aires, na Argentina, a fábrica MABXIENCE S.A.U., agora, poderá produzir o insumo da vacina contra a covid-19 e exportá-lo para o Brasil. Vale lembrar que, no momento, a Fiocruz depende de importações do material.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Dessa forma, "a inclusão dessa planta fabril aumentará o leque de opções para o fornecimento do insumo para a vacina após a inclusão desse novo local de fabricação no registro do produto", explica a Anvisa, em nota. Outra possibilidade é a importação de doses já prontas do imunizante.

Atualmente, o insumo farmacêutico biológico da vacina Covishield pode ser produzido apenas pela Fiocruz e por uma fábrica chinesa, a WUXI BIOLOGICS. No entanto, o processo de transferência de tecnologia ainda está em andamento no caso brasileiro. Dessa maneira, a produção nacional ainda não atende a demanda brasileira.

Fonte: Anvisa  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.