Alexa, assistente da Amazon, está aprendendo a entender as emoções humanas

Alexa, assistente da Amazon, está aprendendo a entender as emoções humanas

Por Redação | 22 de Dezembro de 2017 às 17h45

A equipe de desenvolvedores da Alexa, assistente da Amazon presente nos speakers da linha Echo, estácomeçando a ensiná-la a entender as emoções humanas ao analisar o tom de voz dos usuários. Dessa maneira, a Alexa conseguirá reconhecer seus estados de humor, de acordo com o chefe da equipe, Rohit Prasad.

Com isso, a Amazon poderá aprimorar a experiência de seus consumidores que, ao conversarem com a Alexa, poderão obter uma nova gama de resultados com base em seu humor. Isso abre portas, ainda, para que a assistente detecte sinais de doenças, como a depressão e a ansiedade, por exemplo.

Atualmente, se o usuário fala para a Alexa que está se sentindo triste, a assistente fornece respostas pré-programadas para essa situação. Mas, no futuro, ela será capaz de entender o tom de voz do usuário, sacando que ele está para baixo mesmo que ele não fale nada sobre isso, especificamente.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Ainda que a Amazon não tenha explicado, oficialmente, como a Alexa está sendo treinada para essa finalidade, uma fonte anônima confirmou que esse é mesmo o caminho que a empresa de Jeff Bezos está trilhando, tudo para dominar o mercado e deixar os concorrentes, como o Google Home, em segundo plano.

Tudo isso é possível porque os dispositivos Echo gravam um arquivo de áudio com cada interação feita entre o aparelho e o usuário. Essas interações são analisadas para que se possa criar um padrão para a voz do usuário, e, atualmente, esses registros vêm sendo usados para aprimorar a linguagem natural da assistente. Juntando tudo com a inteligência artificial, a Alexa será capaz de imaginar que o usuário não está lá muito bem analisando o seu tom de voz combinado aos comandos executados, como, por exemplo, se ele pedir que a assistente toque uma playlist de músicas mais animadas (caso isso não seja algo rotineiro para aquela pessoa).

A Alexa poderá ser uma conselheira médica no futuro

Atualmente, a assistente da Amazon já consegue dar algumas respostas sobre a saúde do usuário, mas nada muito personalizado como estamos prevendo que será possível em um futuro próximo. Com os avanços de seu desenvolvimento, a Alexa poderá se tornar uma espécie de conselheira médica, indicando profissionais adequados para tratar condições psicológicas, ainda que o usuário sequer saiba que não está no seu melhor estado mental.

Contudo, há o debate quanto à privacidade, como sempre. Isso porque não está claro, ainda, se as empresas que controlam as assistentes, como a Amazon com a Alexa, terão acesso a essas informações, e nem todo mundo ficaria confortável ao saber que grandes corporações estão montando um histórico médico do usuário com base no que ele conversa com seus assistentes digitais.

Fonte: VentureBeat

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.