Robôs substituirão profissionais com baixos salários em breve, prevê Casa Branca

Por Redação | 29.02.2016 às 12:00

A Casa Branca divulgou o Relatório Econômico do Presidente onde, entre outras informações, fala sobre tecnologia e inovação. Neste quesito, a sede do poder executivo dos Estados Unidos revelou um dado preocupante para boa parte dos habitantes do país: em um futuro próximo, os trabalhadores que recebem salários baixos deverão perder seus empregos para robôs.

O uso de máquinas em linhas de produção já é amplamente difundido no setor industrial, mas os tempos modernos e a evolução da tecnologia fazem com que novas categorias de profissionais tenham medo de ficarem desempregadas porque robôs seriam mais eficientes e menos custosos para o empregador. Segundo o relatório, quem recebe menos de US$ 20 por hora tem 83% de chance de ser substituído.

robô

O dado é bastante preocupante se considerarmos que em janeiro deste ano a média salarial dos Estados Unidos foi de US$ 21,33 - ou seja, uma grande parcela da população ficaria sem emprego. Já profissionais cuja remuneração fica entre US$ 20 e US$ 40 por hora têm 31% de chance de serem trocados por robôs, enquanto os demais, que recebem mais de US$ 40 por hora, têm uma chance de apenas 4% de passarem por essa situação.

A previsão foi possível pois os economistas da Casa Branca se valeram de estudos que analisam o potencial aumento da produção de robôs industriais no país, a fim de prever como a expansão dessa recente tecnologia poderá afetar o mercado de trabalho norte-americano. Entre os estudos analisados estão um relatório elaborado pelo Instituto Pew em 2014, que revelou que robôs e outros avanços tecnológicos devem assumir o lugar de trabalhadores manuais e, até mesmo, de profissionais do chamado “colarinho branco”. Outro estudo utilizado pela equipe de especialistas foi uma pesquisa realizada em 2013 pela universidade britânica de Oxford, que atribuiu um risco de automatização para 702 ocupações diversas.

No entanto, o mesmo relatório da Casa Branca também indicou que robôs foram responsáveis por um aumento de 0,36% no aumento da produtividade do país entre 1993 e 2007. Outro fator importante a ser considerado é que a presença de robôs pode resultar no aumento da qualidade de vida e tempo de lazer para a população. O tema, que ainda é bastante controverso, vem sendo debatido por autoridades mundiais e já foi abordado até mesmo em reuniões do Fórum Econômico Mundial, que acontece anualmente na Suíça.