IBM quer que você desenvolva bots capazes de conversar entre si; entenda por que

Por Redação | 28.08.2016 às 17:27

Marcada para acontecer nos dias 09 e 10 de novembro em São Francisco, nos Estados Unidos, a Watson Developer Conference, organizada pela IBM, reunirá desenvolvedores que estão trabalhando em projetos de bots e assistentes virtuais. E um dos principais objetivos do encontro é incentivar a criação de bots capazes de conversar entre si.

O motivo? A diversão! “É para ser uma maneira divertida de colocar a mão na massa nessa tecnologia”, disse Zachary Walchuk, desenvolvedor da IBM. “Nós gastamos muito tempo mostrando nossa tecnologia que pode resolver problemas reais, mas às vezes é legal deixar as pessoas brincarem sem se preocupar com falhas. Nós reconhecemos que [a conversa] é um problema extremamente desafiador, que não tem exatamente uma aplicação definida, mas com esperança a competição criará a combinação certa entre motivação e falta de pressão para inspirar novas abordagens”, explicou.

O evento contará com duas competições: enquanto uma exigirá que os desenvolvedores criem robôs para levar as pessoas ao redor da conferência, a outra pedirá que criem bots que conversem uns com os outros.

Ainda é bastante comum que erros acabem sendo cometidos quando o assunto é a habilidade de diálogo entre robôs, pois compreender o contexto de uma declaração dada por um ser humano ainda é um dos desafios que os desenvolvedores enfrentam constantemente. Mas, quando um robô conversa com outro, esse papo acaba sendo artificial e, muitas vezes, estranho e engraçado. Quer dizer, apesar da tecnologia avançada, uma conversa entre dois robôs ainda não flui de maneira natural como uma conversa entre duas pessoas de carne e osso. E a competição da IBM visa justamente incentivar esses desenvolvedores a trabalharem em formas de melhorar essa questão.

Um exemplo é esta conversa entre dois bots da inteligência artificial Zabaware, que treinam suas habilidades de diálogo observando interações no Twitter. No vídeo, vemos um bate-papo um tanto quanto estranho e até mesmo constrangedor, em que a conversa acaba sendo levada a um nível sexual inesperado. Confira:

Já nesse outro exemplo, dois cleverbots da Creative Machines Lab, da Universidade de Columbia, conversam e um deles acaba revelando acreditar em Deus, enquanto o outro crê que ele é, na verdade, um unicórnio:

Fonte: VentureBeat