Especialista diz que sexo com robôs será mais comum do que com pessoas até 2050

Por Redação | 07 de Outubro de 2015 às 10h02
Foto: Reprodução

A Internet das Coisas está cada vez mais presente na rotina das pessoas e, se não houver um controle, a tecnologia pode trazer dependência e vício em diversas questões. Para o futurologista Dr. Ian Pearson, os robôs estão prestes a dominar uma área um tanto quanto inusitada: o sexo. Ele acredita que relações sexuais com máquinas serão mais comuns do que o sexo entre pessoas, mas que isso não será algo ruim.

Pearson registrou em um relatório que quanto mais os robôs ocuparem as atividades humanas, mais o amor e sexo serão atos cada vez mais distantes. Ele ainda cita como exemplo o filme "Ela", de Spike Jonze.

O pesquisador prevê ainda que os brinquedos sexuais vão explorar a cada vez mais a realidade virtual. "Teremos aplicativos e 'sex toys' ligados diretamente ao sistema nervoso e até ao compartilhamento de corpos. Você poderá conectar suas sensações sexuais a outras pessoas e estimular orgasmos diretamente pelo toque de um ícone", diz o relatório.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

"Você poderá se divertir com um avatar de inteligência artificial que você mesmo criou para satisfazer suas fantasias mais selvagens que ninguém precisará saber", comenta Pearson, que ainda diz que o sexo será mais seguro, frequente e mais divertido, prevendo que até 2035 a maioria dos casais vai usar a realidade virtual para testar diferentes opções sexuais. Inclusive, ele cita que poderá ser possível até mesmo mudar a aparência do parceiro.

O futurologista comenta ainda que o sexo com robô é alvo de críticas por reforçar os estereótipos de beleza, principalmente feminina, além de diminuir as relações interpessoais. "Alguns podem achar essas previsões desconfortáveis ou sem graça, mas a realidade virtual combinada à inteligência artificial pode dar às pessoas o melhor dos dois mundos em termos de segurança, afeto e até amor entre um parceiro real, aliado à opção de satisfazer suas fantasias", rebate Pearson.

O especialista conclui o relatório afirmando que o sexo e o prazer sempre foram essenciais para a raça humana e que não vão deixar de existir. "A realidade virtual e a inteligência artificial podem transformar oportunidades e explorar desejos. Os valores sociais vão se adaptar a essas novas possibilidades e as relações amorosas terão uma nova perspectiva", finaliza.

Fonte: Folha, Daily Mail

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.