Samsung espera queda de 56% nos lucros, mas números são favoráveis

Por Felipe Demartini | 08 de Outubro de 2019 às 12h10
Tudo sobre

Saiba tudo sobre Galaxy Note 10

Ficha técnica

Uma possível queda de 56% nos lucros do terceiro trimestre de 2019 veio como uma notícia nem tão ruim assim para a Samsung. Ao anunciar uma previsão de seus números para o período, a marca coreana indica uma baixa menor do que a esperada originalmente, fruto das boas vendas iniciais do Galaxy Note 10, que chegou no final de agosto e, também, da chegada de aparelhos com tecnologia 5G, que deve ajudar a alavancar a comercialização de smartphones da companhia.

De acordo com o que foi divulgado pela empresa, a expectativa é de lucros na casa dos US$ 6,4 bilhões, enquanto o faturamento total deve ser de US$ 51,8 bilhões, também com uma queda de 5,3%. A expectativa, diante dos números, é de que a empresa consiga se recuperar após anos de vendas mornas no setor de celulares, o que fez com que as ações da Samsung registrassem ligeira alta, de 1,5%, no pregão desta terça-feira (08) na Coreia do Sul.

Na Coreia do Sul, o Galaxy Note 10 se tornou o modelo vendido mais rapidamente da história da empresa, com mais de um milhão de unidades comercializadas em pouco mais de um mês desde sua chegada. A performance se deve, principalmente, ao fato de o aparelho ter aterrissado por lá com uma edição 5G, o que chamou a atenção dos entusiastas da tecnologia em um dos poucos países a já contarem com redes dessa categoria. Na Europa, os números do dispositivo também estão acelerados, o que deve dar aquela força nos resultados da companhia.

Outros fatores de mercado também devem ajudar nesse movimento. De acordo com analistas, o banimento vigente sobre a Huawei pelas mãos do governo dos Estados Unidos deve alavancar as vendas de aparelhos de médio e baixo padrão, da linha Galaxy A. São modelos que não geram muito lucro, mas ajudam a estabelecer a marca e podem servir como porta de entrada para versões melhores da fabricante sul-coreana no futuro, além de, claro, contribuírem para o faturamento.

Mesmo com um lançamento conturbado, Galaxy Fold deve ajudar nas vendas de smartphones da Samsung por ainda ser o único celular dobrável do mercado (Imagem: Divulgação/Samsung)

Outro elemento a ser levado em conta é a chegada do Galaxy Fold. Apesar dos problemas em seu lançamento, que levou ao cancelamento de pré-vendas e o recall no design do aparelho, o modelo ainda representa o único smartphone dobrável disponível no mercado, algo que deve atrair a atenção dos consumidores e fazer frente a outros nomes de peso como Apple e seu recente iPhone 11, por exemplo.

A perspectiva também é boa para o setor de chips, com baixas de preço e uma economia globalmente fraca tendo segurado os investimentos do setor de data centers. A unidade, que normalmente chegava até a compensar as baixas nas vendas de smartphones quando se olhava o panorama geral, também deve começar a apresentar recuperação ao longo dos próximos trimestres, principalmente com a chegada de novas tecnologias que devem levar administradores do ramo a realizarem mais investimentos na infraestrutura.

Ainda assim, os números do segmento também devem aparecer abaixo do esperado no terceiro trimestre, mas se trata de uma queda prevista para um período que, normalmente, apresenta um volume menor de investimentos. O mesmo, inclusive, também vale para o segmento de smartphones em si, com o terceiro trimestre representando um intervalo no qual as grandes promessas de começo de ano já se assentaram, e quem não trocou de aparelho ainda aguarda as novidades que só chegam nos últimos meses. Sem contar as promoções em datas como Black Friday e Natal.

Os números da Samsung vêm apresentando queda desde o final do ano passado, mas os analistas de mercado ainda não falam em uma previsão de recuperação. O processo é lento, mas, como as estimativas da empresa apontam, está acontecendo, enquanto movimentos no mercado global também devem continuar ajudando a companhia nessa recuperação e, principalmente, na manutenção de seu posto como a maior fabricante de celulares do mundo.

Fonte: Reuters  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.