Netflix | Base de usuários cresce 25% e serviço passa a valer US$ 100 bilhões

Por Redação | 23 de Janeiro de 2018 às 09h51
Tudo sobre

Netflix

Os números gigantescos sempre caminham lado a lado com a Netflix, e não foi diferente no quarto trimestre de 2017. De acordo com dados revelados pela empresa nesta segunda-feira (22), houve crescimento de mais de 25% em sua base de usuários durante o período, levando não apenas o número de assinantes a um crescimento recorde, mas também seu valor de mercado acima da marca histórica dos US$ 100 bilhões.

De acordo com os números divulgados pela companhia, hoje, já são 117,5 milhões de assinantes em todo o mundo, sendo sua maioria nos Estados Unidos. O país também foi, mais uma vez, o território com maior número de novas adesões, representando 1,98 milhão de novos utilizadores. O restante está bastante dividido entre todos os países em que a Netflix tem atuação, o que inclui também o Brasil. Números regionais, entretanto, costumam ser divulgados com mais parcimônia.

Por outro lado, a companhia de streaming não exibiu modéstia na hora de falar em movimentação financeira. Entre os meses de outubro e dezembro do ano passado, a Netflix registrou um faturamento total de US$ 3,29 bilhões, batendo as estimativas do mercado por pouco – elas eram de US$ 3,28 bilhões. Os ganhos por ação foram de US$ 0,41, também de acordo com as expectativas dos analistas.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

No quarto trimestre de 2017, o lucro líquido de US$ 185 milhões, mais do que o dobro do registrado no mesmo período de 2016 e um resultado incomum para uma empresa que, apesar de gigantesca e extremamente visada, ainda opera no vermelho. Isso se deve, principalmente, ao investimento em produções originais, que se tornam cada vez mais a grande menina dos olhos da plataforma – e também a responsável por trazer tantos assinantes novos.

Apenas em 2018, a expectativa é de investimentos entre US$ 7,5 bilhões e US$ 8 bilhões em séries e filmes próprios. É um montante gigantesco, mas que tem gerado frutos que vão além, simplesmente, do aumento em sua base de clientes – ao falar sobre os números, a empresa também citou as mais de 20 vitórias na última edição dos prêmios Emmy, considerados como o “Oscar da TV”, bem como diversas outras nominações e vitórias em cerimônias como a do Globo de Ouro e do Sindicato de Roteiristas.

Além disso, alguns dos destaques foram citados nominalmente. The Crown, Black Mirror e Stranger Things foram mencionadas como as principais séries em audiência na Netflix ao longo do ano passado. Por outro lado, essa mesma estratégia também foi responsável por um prejuízo de US$ 39 milhões em conteúdos não lançados ao público, como séries canceladas ou filmes que não foram adiante.

A Netflix não entrou em detalhes, mas uma boa parte desse total deve estar relacionado à próxima – e, como sabemos, última – temporada de House of Cards. As gravações tiveram de ser suspensas depois de seu início devido às acusações de abuso sexual contra o ator principal, Kevin Spacey, o que levou ao cancelamento da série. Agora, os roteiros estão sendo reescritos, sem data prevista para gravação e lançamento, de forma a excluir o personagem do intérprete do ano derradeiro da história.

Em mais boas notícias, por fim, a Netflix anunciou a entrada de Rodolphe Belmer, antigo CEO do grupo televisivo francês Canal+, como o mais novo membro de seu quadro de diretores. A chegada do executivo, segundo a empresa, é mais uma etapa de seu esforço de crescimento internacional, neste caso, com foco no território europeu.

Fonte: Netflix

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.