Loja de apps da Xiaomi fatura US$ 564 milhões, mas ainda fica abaixo do esperado

Por Redação | 28.01.2016 às 12:52
photo_camera BRUNO HYPOLITO / CANALTECH

A chinesa Xiaomi tem planos ousados e fatura bastante dinheiro com suas operações no país asiático e fora dele. Um de seus focos de negócio é o mercado online, com uma loja de aplicativos que registrou crescimento de 150% em 2015, faturando US$ 564 milhões nos últimos 12 meses. Contudo, apesar de positivo, o resultado ainda está bem abaixo da meta de US$ 1 bilhão que a empresa tinha no início do último ano.

Atualmente a segunda maior fabricante chinesa de smartphones, a Xiaomi já foi a quarta maior produtora do mundo, mas a queda das vendas obrigou a companhia conhecida como “Apple chinesa” a pisar no freio. No último ano, a companhia planejava vender 80 milhões de smartphones, mas ficou a 10 milhões de unidades de alcançar esta meta. A retração obrigou a companhia a se explicar para seus investidores.

Porém, como a proposta da Xiaomi é oferecer todo um ecossistema, indo além da simples venda de tablets e smartphones para oferecer também serviços e apps, o erro de cálculo que levou a empresa a alcançar apenas 56% da meta de faturamento em sua loja de apps para 2015 tem um peso significativo, acredita o especialista Ben Thompson.

Mi App Store

Loja de aplicativos da Xiaomi não rendeu o esperado. (Foto: Reprodução/Mi App Store)

“Dado que a estimativa da Xiaomi sempre foi baseada no fato de a companhia ser mais do que uma fabricante de mercadorias portáteis, errar a sua meta de receita com serviços por uma margem significante é mais preocupante do que não alcançar a meta de [venda de] portáteis”, comenta o analista da Stratechery.

O passo seguinte é, na opinião de Thompson, encontrar mercados que possam oferecer à Xiaomi espaço suficiente para o seu crescimento e, com isso, provar que os críticos estão errados. Em resumo, 2016 promete.

Fonte: Reuters