Deloitte Brasil é multada em US$ 8 mi por sonegação

Por Redação | 05.12.2016 às 14:48 - atualizado em 09.12.2016 às 01:34
photo_camera Divulgação

A filial brasileira da consultoria de negócios Deloitte foi multada em US$ 8 milhões por uma agência reguladora norte-americana, devido à acusações de divulgar resultados financeiros falsos e depois tentar cobrir as evidências.

Segundo o Wall Street Journal, doze colaboradores da Deloitte foram envolvidos na acusação, assim como outros funcionários da companhia. De acordo com a Public Company Accounting Oversight Board, agência de regulação de resultados financeiros nos EUA, as falsificações dizem respeito aos relatórios da Gol Linhas Aéreas em 2010.

Na ocasião, os auditores da Deloitte teria detectado irregularidades nos depósitos da companhia aérea para manutenção. Entretanto, segundo a PCAOB, a Deloitte teria dado um parecer positivo para a Gol mesmo assim. Apesar do envolvimento da Gol no processo, ela não foi indiciada por nenhuma irregularidade.

Para complicar a situação ainda mais, a companhia teria depois tentado alterar seus registros para esconder as deficiências nos relatórios, quando a agência norte-americana auditou os registros da Gol em parte de sua avaliação da filial brasileira da Deloitte.

Segundo afirmou a PCAOB em sua acusação, funcionários da Deloitte chegaram a mentir para a agência quando ela iniciou as investigações sobre a possível sonegação de informações. Para provar isso, a agência investigadora teve acesso a arquivos de conversas entre funcionários da Deloitte em 2014, em que apontavam uma possível eliminação de evidências sobre a alteração nos relatórios.

Em resposta à acusação, a Deloitte Brasil afirmou que violou seus padrões de qualidade e falhou em cooperar com as inspeções e investigações da PCAOB. Esta é a primeira vez que uma grande companhia de consultoria admite esse tipo de prática.

Além da multa, a Deloitte Brasil também teve que aceitar outras sanções, como a implementação de um supervisor independente para suas auditorias, capaz de vetar novos trabalhos de auditoria caso a empresa auditada não tenha solucionado seus problemas.

Fonte: Wall Street Journal