Venda de computadores pessoais impulsiona crescimento da receita da HP

Por Redação | 21.08.2014 às 12:48

A Hewlett-Packard divulgou sua receita trimestral com uma surpresa positiva: a empresa cresceu mais que o esperado graças à divisão de computadores pessoais que teve um salto de 12% nas vendas. Enquanto isso, outras divisões da HP continuam estáveis ou em queda, mostrando a difícil retomada dos bons resultados da empresa.

As vendas da HP subiram apenas 1% no período, indo para US$ 27,6 bilhões no terceiro trimestre fiscal, frente aos US$ 27,2 bilhões de um ano antes. Segundo o site Exame, analistas de Wall Street previam um recuo na receita da empresa para US$ 27,01 bilhões.

A HP está passando por uma reformulação com o objetivo de reduzir custos e se reorientar buscando negócios com maiores margens, como infraestrutura computacional, por exemplo. A empresa está tentando diminuir a dependência de computadores pessoais e se focar mais em servidores, armazenamento e rede para empresas. O redirecionamento da HP faz parte de uma tentativa da presidente executiva, Meg Whitman, de retomar o crescimento.

A empresa ainda reduziu as estimativas de lucro para o fechado do ano, entre US$ 3,70 e US$ 3,74 por ação, ante previsão anterior de US$ 3,63 a US$ 3,75. As ações da HP caíram 0,8%, indo para US$ 34,84, no after-market.

O lucro da empresa caiu, indo para US$ 985 milhões, se comparado com o mesmo período do ano passado, quando o lucro foi de US$ 1,39 bilhão.

A executiva Meg Whitman, afirmou para a BBC que está confiante em uma reviravolta, mas reconheceu que a demanda de computadores pessoais cresceu, no entanto caracterizou a área como um “negócio em declínio”.

Segundo ela, a empresa reduziu a previsão de lucro, mas ainda está em posição para realizar aquisições, se necessário. Whitman afirmou que atualmente a empresa está em mais condições de realizar aquisições do que estava há um ano.

Fonte: http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/hp-tem-ganho-nao-esperado-de-receita-com-alta-de-vendas-de-computadores/http://www.bbc.com/news/business-28876090