Ações da Netflix têm queda vertiginosa após anúncio de resultado financeiro

Por Redação | 17 de Outubro de 2014 às 10h10

Executivos e analistas do mercado financeiro sempre têm as melhores expectativas quando o tema central das discussões é a Netflix. A popular plataforma de streaming de vídeos vem há alguns anos num ritmo alucinante de crescimento e mais recentemente fincou seus pés em importantes mercados europeus, como, por exemplo, o alemão.

Com a expansão a todo vapor, é natural imaginar que o número de usuários do serviço cresça na mesma proporção a medida que sua área de atuação também aumenta, certo? Errado! Para o desespero dos acionistas, não foi isso que a Netflix mostrou no seu relatório financeiro para o terceiro trimestre deste ano fiscal e suas ações caíram drasticamente.

Como destaque a Fortune, é bem verdade que o número de pessoas que utilizam o serviço bateu a marca de 53 milhões, contudo o número de novos assinantes foi abaixo do esperado. A expectativa era que o serviço abraçasse pelo menos mais 3,69 milhões de pessoas, mas esse número foi de apenas 3 milhões, o que levou os acionistas a voltarem a se preocupar com a capacidade do serviço de angariar mais assinantes para engrossar sua receita.

Como resultado, no momento em que esta nota é escrita, os papéis da Netflix operam em uma baixa de 20% e os investidores começam a se preocupar sobre o aumento da taxa de assinatura aplicada pela empresa no começo deste ano. Ao que aparenta, há uma certa apreensão e desconfiança de que o aumento tanto afugentou potenciais novos usuários, como fez com que alguns abandonassem a plataforma.

A nova temporada da série Orange is the New Black foi um fator que contribuiu para que novos usuários apostassem numa assinatura da Netflix, mesmo com preço mais alto. Neste último trimestre, no entanto, fatores como este foram inexistentes e contribuíram para o crescimento abaixo do esperado

A nova temporada da série Orange is the New Black foi um fator que contribuiu para que novos usuários apostassem numa assinatura da Netflix, mesmo com preço mais alto. Neste último trimestre, no entanto, fatores como este foram inexistentes e contribuíram para o crescimento abaixo do esperado (Imagem: Reprodução / Netflix)

Especula-se, ainda, que outra explicação para a baixa dos papéis seja um recente anúncio feito pela HBO. O famoso canal de TV por assinatura disse, nesta quarta-feira (15), que passará a oferecer o seu serviço de vídeo sob demanda, o HBO Go, para que qualquer pessoa com conexão à internet. Dessa forma, o catálogo de filmes, séries e produções exclusivas do canal também poderá ser acessado por aqueles que desejam assinar apenas o serviço online, sem a necessidade de ter o pacote com o canal na TV a cabo.

Apesar das suspeitas, o CEO da Netflix, Reed Hastings, descarta esta última e o presidente financeiro da empresa, David Wells, culpa a elevação da assinatura. "Pelo que podemos dizer, a principal causa é a alta dos preços que temos agora em relação ao ano passado. Preços ligeiramente maiores resultam em um crescimento ligeiramente mais lento", disse Wells num comunicado enviado aos acionistas.

Ademais, o executivo lembrou que o crescimento acima das expectativas no trimestre anterior foi respaldado graças à "ótima receptividade" da segunda temporada da série "Orange is the New Black". Portanto, fatores como este, que justificam o investimento numa assinatura mais alta, não estiveram presentes nos últimos três meses e, segundo ele, também contribuíram para o crescimento abaixo das expectativas.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.