Twitter reporta crescimento de apenas 1% nas receitas e ações desabam

Por Redação | 09.02.2017 às 11:51

O Twitter anunciou na manhã desta quinta-feira (09) seus resultados financeiros referentes ao último trimestre de 2016 e decepcionou o mercado e analistas. É que a rede de microblogs reportou um crescimento de apenas 1% nas receitas.

Ao todo, o Twitter arrecadou US$ 717 milhões -- 1% a mais que os US$ 710 milhões registrados no mesmo período de 2015. Os investidores esperavam por algo em torno de US$ 740 milhões, um valor relativamente baixo se levarmos em consideração que em 2014 a empresa registrou alta nas receitas de 48%.

Esse é o décimo trimestre consecutivo que o Twitter vê suas receitas minguarem, fato amargo que contribuiu para a empresa anunciar uma perda líquida de US$ 167 milhões. Para efeito de comparação, no mesmo período de 2015 a empresa registrou perdas de "apenas" US$ 90 milhões.

Os números, claro, foram recebidos a contragosto pelo mercado financeiro, que derrubou o valor das ações do Twitter antes da abertura da Bolsa hoje pela manhã. No momento em que esta nota é escrita, os papéis têm previsão de abrir as negociações com depreciação de 9,67%, valendo US$ 16,91.

Por não atender às expectativas de investidores e de analistas, ações do Twitter têm previsão de abrir as negociações desta quinta-feira (09) em baixa
Por não atender às expectativas de investidores e de analistas, ações do Twitter têm previsão de abrir as negociações desta quinta-feira (09) em baixa (Reprodução: Yahoo Finanças)

Apesar do pessimismo dos acionistas, Jack Dorsey garantiu que este é um momento de transição. Destacando o fato de o Twitter ter conseguido incrementar em 4% seu número de usuários ativos, para 319 milhões no último trimestre, e a adição de mais de 2 milhões de pessoas à sua base de usuários, o CEO disse o serviço vai continuar mudando a maneira que o mundo se comunica.

"Tem sido difícil, e vai continuar sendo difícil, mas tudo isso vai valer a pena", disse o executivo. "O Twitter mudou a forma como o mundo se comunica, e nós iremos fazer isso de novo".

Fonte: Forbes