Polícia desmonta “fazenda de cliques” na Tailândia

Por Redação | 14.06.2017 às 11:13

Autoridades tailandesas desmantelaram no último domingo (11) uma “fazenda de cliques” na Tailândia, nas proximidades da fronteira com o Camboja. Três pessoas de origem chinesa foram presas como parte da operação que visava criar mensagens e curtidas a partir de contas falsas no WeChat, aplicativo de mensagens e rede social extremamente popular na China e restante da Ásia.

O sistema contava com 500 smartphones ligados a monitores e computadores, que geravam repercussão em postagens e inflavam artificialmente os números e impacto das publicações tanto de usuários finais quanto empresas. A fazenda de cliques era contratada justamente para esse fim e utilizava perfis robôs para realizar o serviço. Na batida, a polícia também apreendeu quase 350 mil cartões SIM, 21 leitores para essa tecnologia e nove computadores.

A localização do sistema, entretanto, aconteceu quase que por acaso, com a polícia mirando o local por acreditar se tratar de uma operação ilegal de call center, um crime comum na Ásia. Ao serem abordados, os três responsáveis afirmaram que esse não era o caso, mas que ali funcionava uma fazenda de cliques. Ainda assim, eles foram indiciados por contrabando de eletrônicos e por estarem trabalhando ilegalmente na Tailândia, sem o visto necessário para isso.

O trio trabalhava a partir de uma casa alugada e recebia pagamentos do exterior, um montante de cerca de US$ 4 mil, aproximadamente R$ 13 mil, para gerar as publicações e curtidas falsas. A polícia acredita que a operação desmantelada é parte de um sistema ainda maior, que funcionaria na China e outros países asiáticos, devido ao fato de que, na Tailândia, ainda há pouca penetração de internet mobile devido às altas taxas cobradas pelas operadoras por esse serviço.

Mesmo sendo mais fechado que outras redes sociais, por funcionar por meio de convites, o WeChat também sofre com os cliques falsos. Artistas e webcelebridades chinesas e japonesas, principalmente, possuem canais oficiais para contato direto com os fãs, e é justamente nessa dinâmica que está o problema das fazendas de “fãs falsos”, que burlam o sistema para inflar artificialmente os conteúdos e canais daqueles que estiverem dispostos a pagarem por isso.

O software é gerenciado pela Tencent, uma das maiores empresas mobile da Ásia. A companhia está ciente do problema de cliques falsos em sua plataforma e diz tomar atitudes para conter o problema. Ela, entretanto, não se pronunciou sobre a recente operação descoberta na Tailândia.

Enquanto isso, os três homens presos durante a batida não responderão pelos crimes em solo tailandês. De acordo a polícia, eles estariam sujeitos a penas de até cinco anos de prisão, mas, como são cidadãos chineses, pagarão uma multa, cujo valor não foi revelado, e serão deportados de volta ao país de origem.

Fonte: Motherboard