Pesquisa revela engajamento de usuários nas redes sociais perante marcas

Por Redação | 14.09.2015 às 12:32

Uma pesquisa realizada pela empresa SurveyMonkey, líder global no desenvolvimento de plataformas de questionários e pesquisas online, mostra que entre os usuários de redes sociais no Brasil, 42% dizem usar os canais para recomendar uma marca a amigos ou parentes. Com isso, o país ficou no topo da lista, sendo o mais engajado.

Criado em parceria com a social@Ogilvy, divisão global do Grupo Ogilvy, o teste foi realizado com mais de 5.500 internautas em 11 países (Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, China, Estados Unidos, França, Índia, Indonésia, Japão e Reino Unido). A pesquisa teve o objetivo de entender os motivos que levam as pessoas a serem ou não engajadas em promover ou denegrir uma marca com os seus amigos das redes sociais.

No estudo, perfis identificados como "promotores" existem principalmente em países emergentes, como o Brasil (42%), Índia (33%) e China (25%). O Japão é o país onde menos internautas assumem promover uma marca, com apenas 1% de resposta positiva dos entrevistados.

De modo geral, somente 19% dos entrevistados dizem pertencer ao grupo de promotores, como mostra a tabela abaixo:

Engajamento usuários nas redes sociais

O Brasil também ganhou destaque na lista dos países onde mais usuários seguem marcas nas redes sociais, mostrando engajamento através de curtidas e comentários, com 94% das respostas. O país ficou atrás somente da China (96%) e na frente da Índia (93%), Indonésia (91%) e Alemanha (84%).

Na média global, cerca de 84% dos participantes dizem seguir as marcas nas redes sociais. Destes, 63% dizem que gostam de expressar a sua satisfação por uma marca e 79% dizem que as empresas interagem com os clientes. Na ordem do ranking estão a Indonésia (90%), Índia (87%) e Brasil (81%). Porém, alguns usuários afirmam que as marcas não respondem aos seus consumidores, sendo estes os franceses (34%), americanos (28%) e japoneses (27%).

O estudo também identificou alguns usuários como "compartilhadores", aqueles que são os mais engajados que os seguidores, que deixam a desejar no quesito "recomendar". Enquanto as ações de "curtir" e "seguir" são as mais importantes, as marcas estão começando a focar nos compartilhadores sociais que não se importam somente em seguir, mas em compartilhar as suas experiências de maneira ativa.

A cada 10 participantes da pesquisa, seis dizem compartilhar conteúdos de marcas em suas redes sociais, sendo eles também heavy users de internet. Em um dia comum, 84% dizem visitar o Facebook, 51% o YouTube e 40% o Twitter. Cerca de 91% destes usuários declaram serem propensos a seguir uma marca e 69% seguem para obter informações constantes sobre produtos, ofertas e novidades.

71% dizem usar as redes sociais para compartilhar as suas experiências ruins com as marcas e o Brasil está no topo, com 78%, ficando na frente do Reino Unido (77%), Austrália (76%), Canadá (73%) e Indonésia (72%). Os brasileiros se destacam também no ranking dos usuários que compartilham experiências positivas, com 95%, perdendo apenas para os chineses (97%) e indianos (96%), mas ficando na frente da Indonésia (94%) e do Japão (93%).

Os usuários classificados como "promotores" são similares aos "compartilhadores" em alguns quesitos, mas são mais raros e considerados o grupo mais influenciador. Somente 19% dos entrevistados se classificam como promotores, sendo o Brasil com 42% deles e a Índia com 33%.

Apesar da importância dos seguidores para as marcas, os promotores são os responsáveis pela divulgação da empresa e a influência sobre outros usuários.