Para congressista, presença de fake news prova que Facebook permitiu manipulação

Por Felipe Demartini | 31 de Maio de 2019 às 14h37
Tudo sobre

Facebook

Saiba tudo sobre Facebook

Ver mais

A congressista americana Nancy Pelosi afirmou não ter dúvidas de que o Facebook propiciou a manipulação russa durante as eleições presidenciais de 2016. A certeza veio depois que a rede social falhou em retirar do ar um vídeo editado e disseminado na plataforma por adversários políticos, que a fazia soar incoerente e retirada afirmações de contexto. A polícia disse ter informado a empresa diversas vezes sobre os casos, mas que o clipe não foi removido.

A acusação veio em um discurso no Commonwealth Club, um dos principais fóruns sobre política pública dos EUA, e arrancou aplausos da plateia. Na visão de Pelosi, quando o Facebook sabe que certas imagens são falsas e mentirosas, mas ainda assim insiste na exibição delas, ele se torna cúmplice e permissivo com a manipulação. Ela disse ter dado o benefício da dúvida à plataforma em relação ao caso russo, mas que, agora, não possui mais dúvidas sobre o assunto.

Além disso, na visão da congressista, a dificuldade em conseguir a remoção de conteúdo falso da rede social dificulta a entrada de gente nova na politica, principalmente do gênero feminino e representantes de minorias. Para ela, ninguém quer ser alvo de ataques constantes por causa de seu alinhamento e a permissividade das redes sociais em manter fake news no ar faz com que as barreiras sejam cada vez maiores nesse caso.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Citando diretamente o próprio caso, Pelosi acusou o Partido Republicano de ser o responsável pela manipulação de um vídeo que chegou a ser replicado até mesmo pelo presidente Donald Trump. Nas imagens, cuja velocidade foi reduzida, ela parece estar se enrolando com as palavras e ter dificuldade em se comunicar.

O Facebook não se pronunciou diretamente sobre as afirmações da congressista. Entretanto, a NetChoice, organização que representa os direitos do setor americano de e-commerce e também tem a rede social entre seus membros, disse que os ataques hiperbólicos a plataformas online não resolverão os problemas delas. De acordo com a associação, os investimentos na luta contra a manipulação são óbvios e o foco sempre está em impedir que tecnologias sejam usadas para interferir na política.

Fonte: Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.