O que os CEOs da Microsoft e LinkedIn estão planejando?

Por Redação | 14.06.2016 às 09:13

Após o anúncio da Microsoft sobre a compra do LinkedIn por US$ 26,2 bilhões, muitos rumores sobre o futuro da rede social para profissionais têm surgido. Apesar de aparentemente o negócio ter sido ótimo para a Microsoft, alguns funcionários do LinkedIn não estão muito convictos de que essa tenha sido uma boa solução.

Jeff Weiner, CEO da rede social, reconhece que para os colaboradores essa não tem sido uma situação fácil. "Você pode sentir uma sensação de empolgação, medo, tristeza, ou alguma combinação de todas essas emoções", afirmou o executivo. Por outro lado, ele considera que essa foi a melhor coisa para a companhia, ao menos sob uma perspectiva financeira.

Uma das principais preocupações da equipe da rede social é ser submetida à cultura da Microsoft. Porém, Weiner assegura que a rede social para profissionais se manterá sem grandes mudanças. Ainda segundo o executivo, a ideia de Satya Nadella (presidente-executivo da Microsoft), é manter o LinkedIn como uma entidade totalmente independente dentro da Microsoft, um modelo já usado com grande sucesso por empresas como YouTube, Instagram e WhatsApp. Aparentemente, Weiner permanecerá como CEO, reportando-se diretamente a Nadella.

Em seu comunicado, Weiner deixou claro que os únicos profissionais que acabarão sofrendo com a aquisição serão os membros da equipe cujos trabalhos são totalmente focados em manter o LinkedIn como uma empresa de capital aberto. Para todos os outros "pouco deverá mudar: você terá o mesmo título, o mesmo gerente e o mesmo papel que tem atualmente", justificando este fato pela manutenção da independência da companhia. "Nós temos a mesma missão e visão, temos a mesma cultura e valores, e eu ainda sou o CEO do LinkedIn", completou Weiner.

Satya Nadella parece entusiasmado com a aquisição, afirmando que um dos objetivos é trabalhar em uma missão comum centrada em capacitar as pessoas e organizações. Na visão do chefão da Microsoft, o acordo permitirá à plataforma social ser o que sempre quis: "Jeff e eu acreditamos que temos uma oportunidade significativa para acelerar o crescimento do LinkedIn", considerando esta uma grande chance para que a rede social alcance a sua missão e continue auxiliando os usuários da rede de forma eficaz.

Em sua fala, Nadella também garante que não haverá mudanças significativas na empresa, e que a expectativa da Microsoft é integrar os principais serviços oferecidos pelo LinkedIn à companhia. As duas empresas são "altamente complementares", de acordo com a apresentação.

Fonte: The Register