Número de publicações no Twitter caiu pela metade desde 2014

Por Redação | 02.02.2016 às 10:54

Por mais que a estagnação no número total de usuários seja um dos principais problemas atuais do Twitter, a gerência da empresa costuma afirmar que, para os que estão usando a plataforma, tudo parece bem. Mas não é exatamente isso o que mostram dados vazados a partir de APIs abertas a desenvolvedores, revelando uma redução de mais de 50% no número de publicações ao longo dos últimos dois anos.

Os dados foram revelados de forma sigilosa por um desenvolvedor parceiro do Twitter, que afirma estar analisando os hábitos de utilização na rede social desde meados de 2013. Ele aponta que, desde junho de 2014, quando a plataforma atingiu seu pico de postagens, com 661 milhões de mensagens publicadas por dia no mês da Copa do Mundo, o fluxo de publicações caiu pela metade. Em janeiro de 2015, foram 303 milhões de tuítes.

É claro, deve-se levar em conta a comoção causada pelo evento esportivo. Por outro lado, o responsável pela divulgação dos dados aponta a existência de diversas ocasiões de bastante movimentação social ao longo do mês de janeiro, citando, por exemplo, os falecimentos de David Bowie, Alan Rickman e Neil Armstrong, além da cerimônia da Bola de Ouro, onde a FIFA premia anualmente os melhores jogadores de futebol do mundo.

Os números, entretanto, foram refutados pelo Twitter, que em comunicado oficial disse apenas que as informações não são corretas. A empresa, entretanto, não deu mais detalhes sobre isso, afirmando ter uma política pela qual não comenda números e divulgações feitas por terceiros, trabalhando apenas sobre suas bases oficiais.

Hoje, são 320 milhões de usuários do Twitter, um número que vem mostrando cada vez mais sinais de estagnação e problemas em competir com o amplo volume de crescimento de outras redes sociais. Isso acaba se refletindo no valor de mercado da companhia, por mais que ela tente inserir cada vez mais formas de monetização e usabilidades diferenciadas à plataforma como estratégia de atrair mais usuários e anunciantes.

Fonte: Business Insider