Notícias falsas são uma ameaça à democracia às vésperas das eleições de 2018

Por Ares Saturno | 25 de Junho de 2018 às 17h28
público

As fake news, ou notícias falsas, são informações inverídicas que circulam na Internet, algumas delas sendo desenvolvidas com o intuito de causar desinformarção e manipular o ponto de vista das pessoas acerca dos mais variados assuntos. A disseminação das notícias falsas no meio virtual é uma das maiores preocupações da atualidade, uma vez que a veiculação de mentiras tiveram impacto na eleição de Donald Trump nos EUA e na saída dos britânicos da União Europeia, entre outras decisões democráticas de importância global.

Segundo um levantamento estatístico realizado pelo Gpopai, o Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação, da Universidade de São Paulo (USP), apenas no mês de junho de 2017, mais de 12 milhões de pessoas compartilharam notícias falsas na Internet. Por meio de compartilhamentos nas redes sociais e aplicativos de conversação instantânea, blogs e portais de notícias, as fake news se espalham sem controle, trazendo consigo a desinformação. Um exemplo próximo ocorreu no início do ano, quando rumores afirmaram que os cidadãos que não participaram do processo eleitoral em 2016 não poderiam votar nas próximas eleições, marcadas para acontecer em 2018. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rapidamente desmentiu o boato e veiculou a informação correta, a fim de evitar que a mentira chegasse a impactar o resultado dos processos eleitorais e fizesse com que milhares de brasileiros não exercessem seus direitos democráticos.

Preocupado com as notícias falsas às vésperas das eleições de 2018, na última terça-feira (20), o ministro Luiz Fux, presidente do TSE, voltou a falar à imprensa sobre a importância do combate à desinformação, que pode prejudicar as eleições a ponto de causar a anulação do processo por inteiro.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O que fazer?

Para ajudar a combater a desinformação e separar o que é verídico e o que é mentira, a ESET, especializada em segurança digital, elaborou uma lista de dicas:

  • Notícias apelativas, com manchetes feitas para chamar atenção ou muito absurdas tendem a ser inverídicas.
  • Caso esteja em dúvida sobre a veracidade de uma informação, experimente buscar a notícia em mais que um site.
  • Produtos e serviços com preços excessivamente baixos, métodos de emagrecimento que prometem perda de gordura através do consumo de substâncias, formas de obter lucro financeiro de forma rápida e outras promessas tendem a ser pouco confiáveis, ou até mesmo levar a vírus e golpes de phishing.
  • Fique de olho em nomes de sites e personalidades desconhecidos. Quem inventa fake news geralmente também inventa cargos, órgãos e até mesmo personagens. Sempre vale checar as informações em outras plataformas mais confiáveis.
  • Cheque a data da publicação: algumas notícias perdem sua veracidade quando aplicadas a outros contextos, especialmente no que diz respeito a políticas públicas, que sempre se alteram para melhor atender às necessidades da população.
  • Em caso de dúvida, não compartilhe conteúdos que possam ser falsos. Antes de ter certeza da veracidade do que é afirmado, não exponha seus amigos, familiares e colegas às informações dúbias.

“As Fake News conseguem causar grande impacto porque muitas vezes as pessoas compartilham um conteúdo sem a verificação necessária, o que acaba disseminando informações que não são verdadeiras e podem trazer consequências sérias.", diz Camillo Di Jorge, gerente na ESET. "A partir do momento em que conseguimos conscientizar a população sobre a importância da checagem dos fatos, as Fake News perdem poder, gerando um tráfego muito menor e com menos importância, o que torna a internet mais confiável e segura para todos”, completou Di Jorge.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.