LinkedIn lança ferramenta de análise de rotatividade de funcionários

Por Redação | 03 de Junho de 2016 às 15h15

O LinkedIn lançou nesta semana uma nova ferramenta de análise de mercado, para quem deseja ter um olhar mais abrangente sobre o funcionamento das companhias e sua rotatividade de funcionários. Os “premium insights” estão disponíveis para os usuários que pagam a mensalidade do serviço – com exceção daqueles que optaram pelo pacote Job Seeker, voltado para recolocação profissional.

Os dados exibidos são obtidos a partir dos cadastros de funcionários e executivos da própria plataforma. A ferramenta exibe informações para companhias que tenham acima de 30 funcionários com perfis no LinkedIn e traz dados como a quantidade de vagas abertas ao longo dos últimos anos, o total de contratações e o tamanho dos setores internos.

Além disso, é possível conhecer o movimento de funcionários e ex-colaboradores, como as companhias nas quais eles trabalhavam antes e para onde foram, além de uma lista de “notáveis”, com empregados seniores ou com muito tempo de casa. A catalogação acontece, entretanto, desde os setores inferiores até a diretoria, com os dados estando disponíveis para todos.

Para o LinkedIn, trata-se de uma ferramenta importante para análise não apenas da rotatividade de uma determinada empresa, mas também de seu crescimento. Ao conhecer quais áreas estão contratando mais, por exemplo, é possível mensurar os segmentos que recebem maior foco pela companhia, e o mesmo vale para as contratações que vieram da concorrência, pois elas podem indicar uma busca por talentos ou características específicas.

Além disso, para a rede social, trata-se de mais uma forma de incentivar os usuários a assinarem seus serviços. Como os dados obtidos estão todos disponíveis de forma pública, reuni-los em uma ferramenta de análise faz todo sentido sem que a visualização das rotinas de uma empresa aconteça de maneira invasiva. Esse tipo de utilização, inclusive, é um dos focos do LinkedIn para o futuro, e a companhia já disse que vai investir em novas funcionalidades desse tipo.

Fonte: Mashable

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.