Instagram passará a sugerir Stories de pessoas que você não segue

Por Redação | 29 de Agosto de 2016 às 19h58

A "guerra" que o Facebook declarou contra o Snapchat ao implementar as Stories foi apenas o começo para a redefinição da rede social. O Instagram passará a utilizar algoritmos para indicar Stories de pessoas que não são seguidas pelo usuário. A iniciativa é uma tentativa de dinamizar a nova ferramenta e instigar os usuários a postarem mais.

Como a aba de fotos Explorar, as sugestões serão baseadas nos interesses do usuário juntamente com o das pessoas que são seguidas por ele. O Instagram confirmou ao Mashable que as mudanças estão a caminho e que elas poderão incluir Stories que são populares entre todos os usuários.

Ao indicar Stories, o Instagram está simultaneamente sugerindo para que usuários sejam adicionados, como o Facebook já faz. Esta é uma medida considerada invasiva por uma parte das pessoas nas redes. Críticas também apontam para questões de favoritismo de contas, dando vantagens de crescimento no número de seguidores a certos usuários.

Ainda que tenha copiado escancaradamente a função, o Instagram reconhece o pioneirismo do rival. Segundo o CEO do Instagram Kevin Systrom, o Snapchat merece "todo o crédito" por ter lançado uma plataforma de slides efêmeros.

No entanto, entre os usuários o território ainda está bem dividido. Uma parte deles migrou instantaneamente para o Instagram, outra se recusou a sair do Snapchat. Uma parcela experimentou a nova ferramenta e voltou para o último. Após aproximadamente um mês de Stories, está evidente que o Instagram não conseguiu acompanhar o passo do fantasma, com uploads pesados que travam, sem as máscaras de selfie e de localização. No entanto, a possibilidade de voltar para uma Story vista é uma vantagem sobre o fantasma, além de agrupar amigos que preferem conteúdo instantâneo com amigos que preferem as fotos.

O Snapchat não demonstrou estar abalado com a postura do Instagram. Pelo contrário, seguiu o próprio ritmo e vem planejando melhorias. Se há uma grande diferença entre as redes, ela não está nas funcionalidades mas sim no público, que é notavelmente mais jovem e apegado aos conceitos de privacidade e efemeridade, além de não querer que certos conteúdos sejam visto por pais e familiares que costumam estar fora da rede.

Fonte Mashable