Governo dos EUA exige desbloqueio ao acesso do LinkedIn na Rússia

Por Redação | 18 de Novembro de 2016 às 17h41

O governo norte-americano informou nesta sexta-feira,18, estar profundamente preocupado com a decisão da Rússia de bloquear todo e qualquer acesso público ao LinkedIn. Para os EUA, a decisão judicial proferida na quinta-feira, 17, cria precedente que pode ser usado para justificar bloqueios de outros sites em operação naquele país.

O bloqueio ocorre pouco mais de um ano após a Rússia aprovar uma lei que obriga todas as multinacionais a armazenarem os dados de usuários russos em servidores locais. Aos olhos da justiça do país, a rede profissional violou as leis de armazenamento de dados e por isso está impedida de atuar por lá.

Analistas de internet consideram inclusive que outras empresas de tecnologia incluindo Facebook e Twitter, podem também ser bloqueadas, a menos que transfiram os dados para servidores russos.

De acordo com a porta-voz da embaixada norte-americana em Moscou, Maria Olson, Washington pediu às autoridades russas restaurar imediatamente o acesso ao LinkedIn, uma vez que as restrições prejudicam a concorrência e a população da Rússia.

Nesta sexta-feira, qualquer um que tente acessar o site do LinkedIn pela operadora de telecom russa MTS se depara com a seguinte mensagem: “O acesso aos recursos solicitados está bloqueado”.

Em mensagem enviada por e-mail aos seus mais de 6 milhões de usuários registrados na Rússia, o LinkedIn afirma lamentar a decisão de bloquear o site, mas que já está buscando reuniões com operadores do país. “Estamos considerando todas as formas possíveis para solucionar esta situação”, garante a rede profissional.

Fonte: Folha de S.Paulo