Facebook usa inteligência artificial para descrever imagens a usuários cegos

Por Redação | 05.04.2016 às 09:08
photo_camera Divulgação

Dos mais de 1 bilhão de usuários cadastrados no Facebook, mais de 39 milhões são cegos e outros 246 milhões possuem algum tipo grave de deficiência visual. A rede social entende que para essas pessoas é difícil visualizar o conteúdo a que são expostas todos os dias. Por isso, a companhia anunciou que, a partir desta semana, usará inteligência artificial para descrever imagens de uma forma mais detalhada.

Hoje, a opção de descrição via áudio é bastante limitada. Por exemplo, se alguém publicar uma foto, o usuário ouve do leitor de tela que um de seus contatos postou uma imagem - nada além disso. Com o novo mecanismo desenvolvido pelo Facebook, o internauta passará a ouvir informações muito mais completas daquele conteúdo, como uma descrição do tipo "a imagem pode conter três pessoas, sorrindo, ao ar livre".

A tecnologia foi batizada de "Automatic Alternative Text" e é baseada em três princípios de detecção: primeiro as pessoas, depois os objetos e por último aquilo que estiver ao fundo da imagem. Segundo a companhia de Mark Zuckerberg, foram usados "bilhões de parâmetros e milhões de fotos" para treinar o mecanismo de rede neural e permitir que o sistema forneça com mais precisão e riqueza de detalhes aquilo que está presente numa fotografia postada no serviço.

Por enquanto, a novidade está em fase de testes nos Estados Unidos, disponível em inglês e apenas em aparelhos com sistema operacional iOS. Ainda não há previsão de quando o Android receberá o recurso, nem quando outros idiomas ganharão suporte. Veja no vídeo abaixo como o novo leitor de tela vai funcionar:

Na semana passada, o Twitter lançou um mecanismo similar de descrição de imagens que deve beneficiar principalmente pessoas com alguma deficiência visual.

Diferente do Facebook, que usa a inteligência artificial, o microblog se apoia nos próprios usuários, que antes de postarem uma foto podem acrescentar um texto de até 420 caracteres para descrever o conteúdo. Para ativar o recurso, é preciso habilitar a função nas configurações de acessibilidade do aplicativo do Twitter para dispositivos móveis - até o momento, a opção funciona no Android e iOS.

Fonte: Facebook