Facebook remove milhares de contas falsas às vésperas das eleições britânicas

Por Patrícia Gnipper | 08.05.2017 às 12:10
photo_camera Divulgação

Nesta segunda-feira (08), o Facebook revelou que deu fim em “dezenas de milhares” de contas fake no Reino Unido às vésperas das eleições que acontecerão no próximo mês. Segundo a BBC, a rede social também estaria monitorando publicações que repetem o mesmo conteúdo, sinalizando as contas que têm feito essa prática.

Para o TechCrunch, o Facebook disse que “essas mudanças ajudarão a detectar contas falsas em nosso serviço com mais eficiência, incluindo aquelas que são difíceis de identificar”. A rede social mais utilizada no mundo também providenciou “melhorias para reconhecer essas contas não autênticas mais facilmente, ao identificar padrões em suas atividades”. Explicando melhor, o sistema da rede de Mark Zuckerberg “pode detectar postagens repetidas com o mesmo conteúdo, ou qualquer aumento na quantidade de mensagens enviadas”. Com essas mudanças, a empresa espera “reduzir a disseminação de material gerado por atividades inautênticas, incluindo spam, desinformação ou outros conteúdos enganosos que são constantemente compartilhados por criadores de contas falsas”.

A medida surge para, talvez, apagar o “incêndio” que aconteceu no ano passado durante as campanhas para a eleição presidencial dos Estados Unidos, quando o Facebook foi acusado de ser parcial no conteúdo dos Trending Topics norte-americanos ao dar menos visibilidade às notícias com enfoque conservador. A rede social também disse que está “sempre tentando aprimorar o Feed de Notícias ao ouvir o que a comunidade tem a dizer”, e que descobriram que “se ler um artigo faz com que as pessoas fiquem significativamente menos propensas a compartilhá-lo, isso pode ser um sinal de que uma publicação enganou as pessoas de alguma forma”. Desde dezembro de 2016 a empresa vem testando nos EUA esse novo sistema para combater notícias que enganam o leitor, e agora está expandindo esses testes para o Reino Unido.

Para divulgar a nova medida, a rede social publicou em diversos jornais impressos europeus um anúncio com dicas para ajudar os usuários a identificar quando as notícias não são lá muito confiáveis, repetindo algo que já foi feito na França na época de sua última eleição presidencial. Confira:

Entre as dicas, o Facebook recomenda o ceticismo, observar a URL, procurar outras publicações com o mesmo conteúdo e observar a data da publicação da notícia (Reprodução: Facebook)


Por que uma medida dessas é tão importante?

Vivemos a era das redes sociais, e as informações nunca foram divulgadas tão rapidamente quanto hoje em dia. E com tanta avidez para compartilhar notícias por aí, os usuários acabam caindo na trollagem de diversas páginas, sendo que muitas vezes as pessoas simplesmente clicam em “compartilhar” sem, de fato, ler a matéria, se atentando somente às manchetes - que, por vezes, exageram no sensacionalismo.

Esse fenômeno dos tempos modernos fica ainda mais nítido em épocas de eleições, bem como em momentos de crise política e econômica (como vem acontecendo no Brasil recentemente). Portanto, os quase 2 bilhões de usuários do Facebook precisam de algum tipo de suporte fornecido pelo serviço para identificar, logo de cara, se aquele conteúdo que chamou sua atenção realmente está dizendo a verdade, ou se é o caso de mais uma notícia falsa que disseminam por aí para causar discórdia.

A rede social também vem sendo pressionada para criar meios de bloquear publicações que contenham discursos de ódio, como incentivos à violência contra imigrantes, homofobia, racismo e demais conteúdos que disseminam o preconceito no Facebook.

Com informações de TechCrunch e BBC