Facebook quer que você compartilhe mais momentos da sua vida e menos memes

Por Redação | 08.04.2016 às 19:09

Você já deve ter reparado que o seu feed de notícias do Facebook possui cada vez mais conteúdos compartilhados de terceiros – como páginas, links e memes – do que coisas escritas ou fotos pessoais postadas pelos seus amigos. Os executivos da rede social também perceberam essa mudança, e isso não é nada bom para os negócios.

Um relatório publicado pelo site The Information na última quinta-feira (7) revelou que as atualizações pessoais dos usuários da rede social tiveram uma queda de 21% entre 2014 e 2015. No início de 2016, este tipo de postagem registrou uma queda de 15%.

Há alguns meses, líderes do Facebook foram convocados para tratar deste problema grave: as pessoas estão postando cada vez menos coisas sobre suas vidas pessoais para seus amigos verem. Desde então, uma equipe foi montada para desenvolver uma estratégia capaz de interromper o declínio de dois dígitos no compartilhamento de conteúdo "original" no Facebook.

Um exemplo de como a rede social está tentando engajar seu público – e não apenas marcas e empresas – é o fato dela ter liberado as transmissões de vídeo ao vivo para todos os usuários. O recurso Live Videos estimula as pessoas a utilizar o aplicativo para realizar transmissões ao vivo pelo celular para todos os seus amigos e seguidores.

Ao longo dos anos, o Facebook se tornou um recurso essencial para manter amigos e família em contato. Ele ainda é o primeiro lugar onde as pessoas se sentem "obrigadas" a compartilhar atualizações significativas, como seu status de relacionamento, fotos de bebês, das suas férias incríveis e assim por diante. Basicamente, a plataforma é considerada por muitos como um local para exibir seus "comunicados de imprensa pessoais".

Por este motivo, o declínio nas atualizações pessoais significa um grande problema para o serviço de Mark Zuckerberg. Sem as atualizações pessoais, o Facebook se torna um mero mecanismo de recomendação de conteúdo. Em suma, quanto mais sofisticada a plataforma se torna, maior é a pressão para que ela mantenha um pouco do que a tornou especial: a intimidade. Basta olhar o sucesso que o Snapchat faz entre jovens que adoram ver momentos pessoais da vida alheia; e parece que o Facebook está indo, involuntariamente, no sentido contrário.

É claro que esta queda não representa uma ameaça iminente à rede social mais famosa do mundo, mas é fato que a empresa deve se preocupar com os rumos que sua plataforma está tomando e traçar estratégias capazes de a manter interessante aos olhos do público.

Com informações da Fortune e The Information