Facebook pode ser proibido na Rússia por causa de emojis “gays”

Por Redação | 03 de Agosto de 2015 às 11h01

O Facebook já há algum tempo vem sendo elogiado por suas políticas de inclusão, mas agora está no centro de uma investigação que também envolve essa característica. O governo russo iniciou, na semana passada, um inquérito para verificar se alguns tipos de emojis, mais especificamente aqueles que mostram dois homens ou duas mulheres se beijando, podem ser considerados como uma “propaganda homossexual”.

Se a hipótese for confirmada, isso significaria que as imagens infringem uma lei nacional que proíbe exatamente isso e pode resultar no banimento do Facebook no país. A investigação foi requisitada pelo senador russo Mikhail Marchenko, que solicitou ajuda da Jovem Guarda, o grupo do governo russo ligado aos interesses da juventude, para que auxiliem a definir de que forma os emojis são usados e exatamente o que eles significam.

Por meio do Roskomnadzor, o serviço federal que supervisiona a indústria de mídia e tecnologia, o governo de Vladimir Putin afirmou que a análise do caso deve envolver a consulta a psicólogos por meio da Jovem Guarda e também um olhar geral sobre a maneira com a qual os emoticons podem ser utilizados. Se confirmado que eles retratam o homossexualismo, o Facebook pode acabar tendo sua utilização proibida na Rússia.

Emojis gays

Como os emojis em questão não são uma exclusividade do serviço, é bastante provável que se a medida for adiante acabe abrindo precedente para que outras redes sociais também sejam banidas por lá. De acordo com as informações de jornais russos, mais de 10 mil sites já foram fechados como parte da lei que proíbe a propaganda homossexual no país. Criadores de memes e jornalistas também teriam sido ameaçados pela polícia por causa do mesmo motivo.

A ideia da Rússia é diminuir o incentivo a qualquer tipo de relacionamento considerado “não tradicional”. De acordo com declarações oficiais dos responsáveis pela legislação, o objetivo é impedir que crianças ou adolescentes que ainda não tenham construído sua identidade sejam influenciados pela mídia social.

As normas levaram a uma escalada na violência no país, com grupos do governo dedicados ao fechamento de sites e páginas no Facebook e outras redes, enquanto membros da própria sociedade civil faziam justiça com as próprias mãos contra os homossexuais. Tais ações causaram impacto internacional, levando a um isolamento ainda maior da Rússia e críticas diretas ao presidente Putin.

Também não é a primeira vez que o Facebook se vê como alvo de uma investigação do tipo. No final de junho, membros do senado russo já haviam exigido o banimento imediato do Facebook no país após a aprovação do casamento gay pela Suprema Corte dos Estados Unidos. Na época, a rede social lançou um filtro que permitia às pessoas pintarem suas fotos de perfil com as cores do arco-íris para mostrarem apoio à causa.

Fontes: Pink News, Engadget